Com ou sem causa, todos os rebeldes do mundo vão se animar novamente. Leia as previsões do céu do mês

Tempo de câncer: tendência para a autocrítica de quem andou falando demais
Arte iG
Tempo de câncer: tendência para a autocrítica de quem andou falando demais

Julho começa ainda sob o impacto das manifestações de massa que marcaram o final do mês de junho e são consequência da terceira das sete quadraturas exatas entre Urano e Plutão, que estão virando o mundo de ponta cabeça desde o ano passado. Esta, que é apenas mais uma das configurações transformadoras que detonaram a crise de 2008, funciona como um pano de fundo para o desenho do céu no mês corrente.

Leia também
O beijo de cada signo
A mãe de cada signo

As emoções vão mostrar que incorporaram o sentimento do mundo e o poder do amor universal

É importante lembrar que essa série de quadraturas entre Urano, o planeta da renovação radical, e Plutão, o significador do poder constituído e das transformações irreversíveis, são consequência direta do encontro que aconteceu no final dos anos 60 entre estes dois planetas. Naquele tempo, o poder de Plutão prevaleceu. Desta vez Urano parece mais forte, mas ainda vai correr muita água debaixo da ponte até que se possa fazer uma análise clara desse embate. Talvez só daqui a muitos anos. A história tem o seu passo e não costuma esperar pelo nosso.

Voltando a julho, o mês começa tenso, sob o impacto da oposição entre o Sol em Câncer e Plutão em Capricórnio e de uma quadratura entre Vênus e Saturno que tem força até o dia 5.

A primeira configuração fala de um embate entre os argumentos oferecidos pelo atual sistema (vale lembrar que o céu não influencia só o Brasil) e a poderosa inteligência emocional estimulada pelo encontro entre o Sol e Júpiter no signo de Câncer. Esta forma de intuição está sendo reforçada pela precisão de Saturno em Escorpião e pela sensibilidade de Netuno em Peixes.

Manifestantes se reúnem na Praça da Sé, em São Paulo, para o sexto dia de protestos contra o aumento da tarifa do transporte público
Futura Press


Como Saturno e Plutão estão cada um no signo do outro, é possível ler o céu com as posições trocadas. Assim, teríamos uma oposição de Saturno e um trígono de Plutão para Sol, o que significaria um medo que atrasa as transformações que vão ser bem sucedidas a longo prazo.

Como Mercúrio passa mais da metade do mês aparentemente andando para trás (até o dia 20), todas as conversas e negociações que forem feitas nesta época são mais difíceis e podem mudar. “O que não for perfeito terá que ser refeito”.

Já a quadratura entre Vênus, que está em Leão, e Saturno, que está em Escorpião, pode trazer um certo desânimo e uma tendência para a autocrítica de quem andou falando demais.

No dia 8, o impulso da Lua Nova vai ser acompanhado exatamente por esse Mercúrio meio atrapalhado e desafiado pela impaciência de Urano que, neste dia, vai se aliar a Vênus para restaurar a confiança de quem andou desconfiando da própria imaginação.

Com causa ou sem causa, todos os rebeldes do mundo vão se animar outra vez. Pode ser só um soluço, mas pode marcar uma nova fase da crise atual.

No dia 13, temos uma mudança importante: Marte, o senhor da guerra, da coragem e dos desejos individuais, vai abandonar o volúvel signo de Gêmeos e juntar-se a Júpiter, ao Sol e a Mercúrio, no emocional signo de Câncer.

A partir daí, seis dos dez planetas que a astrologia leva em consideração vão estar em harmonia em signos de água. Apesar das tensões de fundo, as emoções vão ganhar foco e propósito. Mais do que isso, vão mostrar que incorporaram o “sentimento do mundo” e o poder do amor universal.

No dia 20, Mercúrio volta a caminhar para frente e até o dia 21 os movimentos que defendem o bem coletivo vão se sobrepor às reivindicações individualistas que visam a manutenção de privilégios individuais.

Mas no dia 22 o Sol muda de signo e parece vir em socorro da vaidosa e individualista Vênus, que estava sozinha no signo de Leão. Acontece que, no mesmo dia, ela foge para o signo de Virgem e vai tratar de valorizar a humildade e a sensação de ser útil e produtivo.

Como se isso não bastasse, uma linda Lua Cheia acontece no signo de Aquário e vai nos obrigar a pesar sobre o que é mais importante: os direitos individuais ou as necessidades coletivas.

O mês termina com Marte desafiando Plutão e nos trazendo o desejo de um novo enfrentamento com o sistema, enquanto Vênus serve de intermediária para a bonita relação entre Saturno e Júpiter.

Do signo da simplicidade, a deusa do amor vai nos lembrar que mesmo os melhores planos e projetos só têm valor se descerem do mundo do sonhos e ajudarem concretamente a melhorar a qualidade do cotidiano de cada um de nós.

Para terminar, é bom saber que as quadraturas entre Plutão e Urano vão continuar acontecendo até o mês de março de 2015. Até lá, tudo é provisório...

>>. Conheça o perfil de cada signo do zodíaco

>> Acompanhe seu horóscopo diário no Delas

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.