iG Delas

Colunistas

enhanced by Google
 

Prazer & Sexo

A sexóloga Fátima Protti responde dúvidas das leitoras

Fátima Protti é psicóloga, terapeuta sexual e de casal; pós-graduada pela USP e autora dos livros “Vaginismo, quem cala nem sempre consente" e "Sexo, Amor e Prazer"

Sexo com o marido das outras

Fátima Protti: “Muitas mulheres sentem um prazer enorme ao tirar a aliança do homem durante a transa”

05/03/2012 15:03

  • Mudar o tamanho da letra:
  • A+
  • A-
Compartilhar:

É uma estranha atração que me leva a procurar homens casados para ter sexo. A aliança, a posição de marido, o fato de poder dar mais prazer que a mulher dele, tudo isso me atrai. Só me envolvo com homens casados para aventuras sexuais, e nem quero nada sério. Será que tenho algum problema?

Quem disse que o comprometimento é fácil? Compartilhar o espaço, conciliar projetos de vida, sobreviver à rotina e dar satisfações. Para algumas pessoas, essa dinâmica é impraticável – e o envolvimento com alguém livre, cedo ou tarde, resultaria nisso. Mas o fato do compromisso passar longe dos projetos de vida nem sempre é determinante na preferência de parceiros comprometidos para viver experiências sexuais.

Pode haver uma possível fuga de compromisso provocada por decepções amorosas. Às vezes, histórias de casamentos e namoros sem sucesso e traições criam inseguranças. Do lado erótico, a fantasia de estar no lugar da amante, que só usufrui do lado bom da relação, tende a ser altamente excitante – e mais uma vez há a tentativa de se proteger.

Foto: Getty Images Ampliar

Sexo com homem casado traz para algumas mulheres a sensação de poder que não têm em outros setores

Transar com o marido da outra (ou das outras) pode trazer para algumas mulheres a sensação de poder que não têm em outros setores da vida. A competitividade silenciosa com as esposas se torna excitante para o jogo da sedução. No entanto, nem sempre a “amante” é considerada por “eles” como a melhor de cama, talvez apenas uma variação de parceria sexual.

Mobilizadas pelas fantasias de poder e pela necessidade inconsciente de transgredir a regra de uma instituição monogâmica, como a fidelidade, muitas mulheres sentem um prazer enorme ao tirar a aliança do homem durante a transa – ou pedem para que ele a mantenha de propósito.

Aspectos emocionais e psicológicos norteiam nossas escolhas. A justificativa de envolvimento com homens casados para não se comprometer, e sair rapidamente de uma relação para outra com as mesmas características, geralmente é apenas uma forma de esconder de si mesma sentimentos de insegurança, baixa autoestima, traumas e experiências frustradas.

A vida é curta, mas algumas pessoas passam um tempão se desviando do enfrentamento dos próprios fantasmas. Quando se dão conta, já perderam boas oportunidades por conta do autosabotando.

Será que esse é o seu caso?

Sobre o articulista

Fátima Protti - delas_amoresexo@ig.com.br - Fátima Protti é psicóloga, terapeuta sexual e de casal; pós-graduada pela USP e autora do livro “Vaginismo, quem cala nem sempre consente" - Site: www.fatimaprotti.com.br

» Mais textos deste articulista

    Notícias Relacionadas


    Ver de novo