iG Delas

Colunistas

enhanced by Google
 

Prazer & Sexo

A sexóloga Fátima Protti responde dúvidas das leitoras

Fátima Protti é psicóloga, terapeuta sexual e de casal; pós-graduada pela USP e autora dos livros “Vaginismo, quem cala nem sempre consente" e "Sexo, Amor e Prazer"

“Nunca gozei com ele. Devo contar?”

Após três anos de namoro, leitora relata falta de orgasmo em seu relacionamento. A sexóloga Fátima Protti discute o problema

19/01/2013 08:00

  • Mudar o tamanho da letra:
  • A+
  • A-
Compartilhar:

“Olá, Fátima. Tenho um namorado por quem sou apaixonada. Namoramos há três anos e nosso relacionamento amoroso é ótimo. No entanto, eu nunca gozei com ele. Devo contar? Não sei como abordar o assunto depois de tanto tempo”.

Um dos prazeres que temos no sexo é o orgasmo. Mas, para algumas mulheres, o orgasmo não acontece durante o sexo, mesmo com muita estimulação. Fingir orgasmos ou optar pelo silêncio não resolve o problema. A melhor recomendação é discutir essa questão logo no início da relação. E no seu caso, mesmo após três anos, também sugiro o diálogo. 

A dificuldade para chegar ao prazer máximo revela a baixa excitação, que pode acontecer pela falta de estímulos eróticos ou pelo tempo insuficiente de brincadeiras e carícias. Além disso, a alta expectativa para conseguir o orgasmo pode interferir no resultado, porque desvia a atenção das sensações corporais e da fantasia.

A variação de posições não é só um forte estímulo, mas também uma forma de descobrir a melhor para cada um. Algumas delas facilitam o roçar do pênis no clitóris. [Veja aqui posições que facilitam o orgasmo]

Em busca do prazer, muitas mulheres preferem se masturbar sozinhas, já que o parceiro costuma não ter paciência com as carícias preliminares. Além disso, elas não conseguem informar o problema ao parceiro com medo de criar uma crise. Outras se queixam que ele toca direto nos genitais ou vai para a penetração logo no início da transa, sem que ela esteja devidamente excitada.

A minha recomendação é: estique as preliminares propondo brincadeiras, posições diferentes e carícias em todo o corpo, incluindo os genitais com toques do seu agrado. Aposto que ele também vai curtir!

As fantasias compartilhadas podem ajudar no clima, mas é preciso se sentir à vontade. Caso contrário, use-a somente para você enquanto ele a estimula. Fantasiar não é trair ou não ter mais desejo pelo parceiro, é apenas um estímulo potente que pode ajudá-la a aumentar a excitação e levá-la ao orgasmo.

Cara leitora, não tenha receio de abordar o assunto mesmo depois de tanto tempo. A ajuda dele neste momento é importante, pois sozinha não está conseguindo outro resultado. Caso encontrem dificuldades, aconselho a procura de uma terapia sexual.

Visite o site oficial da sexóloga Fátima Protti e envie a sua pergunta

Leia outras colunas da Fátima Protti no Delas

 

Sobre o articulista

Fátima Protti - delas_amoresexo@ig.com.br - Fátima Protti é psicóloga, terapeuta sexual e de casal; pós-graduada pela USP e autora do livro “Vaginismo, quem cala nem sempre consente" - Site: www.fatimaprotti.com.br

» Mais textos deste articulista

    Notícias Relacionadas


    Ver de novo