Sexóloga e colunista do Delas afirma: é possível sim. Veja as dicas para enfrentar esse problema comum a diversas idades

“Como dar prazer a uma mulher tendo ejaculação precoce?”

A ejaculação rápida é uma disfunção sexual que acomete muitos homens de diversas faixas etárias. Podemos considerar o distúrbio quando a ejaculação ocorre com certa frequência logo após a penetração, durante as carícias, na masturbação ou em determinadas situações.

Sua principal causa é a ansiedade. Quando não tratada, pode atingir níveis altos levando à disfunção erétil.

Ejaculação precoce: problema afeta homens sexualmente ativos de diversas idades
Thinkstock/Getty Images
Ejaculação precoce: problema afeta homens sexualmente ativos de diversas idades

Caro leitor, sua principal preocupação é a mesma de outros ejaculadores precoces: como satisfazer uma mulher, já que ela precisa de mais tempo para atingir o orgasmo.

Nem tudo está perdido, seguem algumas dicas que vão ajudá-lo a obter o controle durante o sexo.

Procure ter relações com certa frequência, um espaço maior de tempo trará o gozo rápido. Em caso de baixa frequência semanal, uma vez por semana, é indicada a masturbação um dia antes do sexo para aliviar a tensão sexual.

Curta mais as preliminares, diminuindo o foco na penetração ou no orgasmo. Peça para a parceira fazer carícias no corpo todo, sem ênfase na região genital. Ao sentir que pode ejacular, peça para ela parar as carícias, retomando assim que a vontade desaparecer.

Se dedique ao prazer da mulher estimulando o corpo dela com carícias, isso ajuda a afastar a ideia do gozo rápido. Porém, não estique demais esse tempo para não perder o controle. Em algumas transas leve-a ao orgasmo primeiro.

Durante o sexo, a respiração é um recurso importante para o controle ejaculatório. Em momentos de ansiedade pare, respire devagar e profundamente, e curta esse momento de “relax” abraçadinho nela até a tensão baixar.

No coito, ao perceber que irá gozar rápido diminua ou pare os movimentos. Se ela estiver por cima, peça para tirar o pênis da vagina e apertar rápido e moderadamente com os dedos a glande do pênis. Outro recurso é mudar de posição, provocando um corte na excitação.

Evite transar sob pressão da parceira ou de si mesmo, isso o deixará ansioso e o problema aparecerá.

Outros recursos também estão disponíveis para reduzir o problema: evitar a ingestão de bebidas alcoólicas, usar camisinhas com anestésico para diminuir a sensibilidade peniana, ingerir alimentos e medicações que controlam a ansiedade, praticar técnicas para controlar a ejaculação e fazer terapia sexual.

Se tiver uma parceira fixa, converse com ela sobre o assunto, isso ajuda a diminuir a tensão e a ansiedade de ambos. Além disso, os dois podem pensar juntos no melhor recurso para resolver o problema.

* Fátima Protti é psicóloga, terapeuta sexual e de casal. Pós-graduada pela USP e autora do livro "Vaginismo, quem cala nem sempre consente". Escreva para a colunista: delas_amoresexo@ig.com.br .

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.