Cultura de que o homem não pode “negar fogo” mexe com a virilidade masculina e pode prejudicar o mecanismo de ereção

"Certa vez sofri com o drama de falhar em uma transa. Fiquei bem grilado por um tempo. Ficava desesperado quando chegava o momento do sexo. De lá para cá, nunca mais fui o mesmo. Hoje, a situação está mais amenizada, pois não fico desesperado, mas o medo de falhar de novo ainda existe. Por conta disso, só consigo transar uma vez com a parceira. Esse medo não me deixa relaxar e tentar outra vez, mesmo tendo vontade. Isso é muito ruim. O que pode ser feito para me ajudar a superar isso?"

O medo de falhar na hora H é bastante comum entre os homens. Geralmente, se sentem inseguros a partir de um único episódio de perda eretiva e piora quando as frustrações se tornam sucessivas.

Medo de falhar na hora do sexo é uma fonte comum de ansiedade entre os homens
Thinkstock/Getty Images
Medo de falhar na hora do sexo é uma fonte comum de ansiedade entre os homens

A perda eretiva, mesmo quando casual, mexe significativamente com a virilidade masculina, que entre outros aspectos incluem o vigor físico e sexual. Muitos passam a sentir angústia e desenvolvem ansiedade extrema, prejudicando o mecanismo de ereção. A adrenalina liberada no estado ansioso impede o relaxamento da musculatura do pênis, a dilatação das artérias e a entrada de sangue que o torna firme e ereto. Outras vezes, provoca a saída do sangue, principalmente diante da penetração.

Algumas falhas podem ocorrer quando o homem se sente obrigado a transar, já que em nossa cultura o homem não pode “negar fogo”, precisa estar sempre disponível para o sexo e não falhar. Mas o cansaço, o estresse no trabalho, problemas no relacionamento, preocupações financeiras e a indisposição física são fatores que interferem no desejo e na motivação sexual. Fazer sexo para cumprir seu papel de macho ou para não frustrar a parceira pode levar à perda eretiva e ao temor de desempenho.

O temor de desempenho aparece antes ou durante a transa. O medo de perder a ereção faz com que o homem realmente a perca. Mesmo sentindo vontade e tesão, ele não se envolve tanto no erotismo ou com sua parceira porque a atenção está voltada para a firmeza do pênis e o medo de falhar.

Caro leitor, sugiro a você seguir algumas dicas para superar esse medo:

1. Exercícios de respiração ajudam a baixar a ansiedade. Inspire o ar em três tempos até encher os pulmões. Segure um pouquinho e expire pelo nariz em cinco tempos até esvaziar os pulmões. Durante o exercício preste atenção apenas na respiração, não pense em mais nada. Repita isso até cinco vezes, sempre que se sentir ansioso só de pensar no sexo.

2. Durante a transa, foque sua atenção na parceira, no erotismo, nas fantasias, e nas sensações. Isso ajuda a afastar os pensamentos automáticos sobre o desempenho sexual e a possibilidade de não conseguir manter a ereção.

3. Não preste atenção no seu pênis. Se estiver entretido nas brincadeiras, curtindo as carícias e as sensações corporais a excitação surgirá e ele funcionará direitinho.

Contudo, se o problema persistir busque uma terapia sexual, ela pode ajudá-lo a identificar conflitos e pensamentos automáticos durante a transa, a controlar a ansiedade e a resgatar a autoconfiança e a autoestima.

* Fátima Protti é psicóloga, terapeuta sexual e de casal. Pós-graduada pela USP e autora do livro "Vaginismo, quem cala nem sempre consente". Escreva para a colunista: delas_amoresexo@ig.com.br .

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.