Tamanho do texto

Sexóloga e colunista do Delas, Fátima Protti esclarece dúvida de leitor que lida com o problema desde a adolescência

"Sempre tive problema de ejaculação precoce, desde que era adolescente. Hoje, estou com 40 anos e continuo com o mesmo problema. Depois da penetração não consigo ficar nem cinco minutos e já tomei vários tipos de remédios. O que devo fazer para conseguir ficar mais tempo sem ejacular?"

Pesquisa constatou que 25,6% dos homens na faixa entre 26 e 40 anos têm ejaculação rápida
Getty Images
Pesquisa constatou que 25,6% dos homens na faixa entre 26 e 40 anos têm ejaculação rápida

O estudo realizado em 2002 sobre a vida sexual do brasileiro, idealizado e coordenado pela médica psiquiatra Carmita Abdo, fundadora do ProSex – Projeto de Sexualidade do Hospital das Clínicas, constatou que 25,6% dos 831 homens pesquisados, na faixa entre 26 e 40 anos, têm ejaculação rápida. Dos 749 homens que relataram ejaculação rápida, 44,6% ejaculam logo após a penetração.

Veja também: 10 posições que estimulam o clitóris

Os resultados gerais mostram uma presença significativa dessa disfunção sexual masculina em nossa população e em todas as faixas etárias. Porém, muitos homens desconhecem o problema, principalmente no caso dos jovens, que acham normal a maneira como “funcionam”.

Podemos considerar como ejaculação rápida quando ela acontece antes, durante ou logo após a penetração, independente da vontade do homem. Em decorrência disso, ele não consegue satisfazer a parceira em pelo menos 50% das relações sexuais, já que a mulher precisa de maior tempo para atingir o orgasmo.

Problemas orgânicos podem ser uma das causas da disfunção, como certas doenças neurológicas. Mas, os aspectos psicológicos e comportamentais são os mais comuns. A ansiedade é a causa principal, geralmente associada a diversas situações: preocupação com o desempenho sexual, sentimentos de culpa, problemas financeiros e de relacionamento do casal, entre outros.

A sexóloga e colunista Fátima Protti tira dúvidas dos leitores
Edu Cesar/Fotoarena
A sexóloga e colunista Fátima Protti tira dúvidas dos leitores

A prática da masturbação concomitante a um quadro ansioso, na fase da puberdade, pode levar à disfunção. Um exemplo disso ocorre quando o adolescente se masturba rapidamente, no banheiro ou em seu quarto, e quer chegar logo ao gozo com medo de ser surpreendido ou importunado. Homens que têm transas rápidas durante um bom tempo também podem acabar perdendo o controle ejaculatório, além de experimentar uma diminuição do prazer.

Com o passar do tempo e tendo transas frustrantes, mais ansiosos os homens ficam, maior quantidade de adrenalina produzem e mais rapidamente ejaculam.

Caro leitor, pelo que descreveu esse é seu caso. Você já usou medicamentos, talvez antidepressivos para diminuir o nível de ansiedade, mas de nada adiantaram.

Para o êxito no tratamento, em muitos dos casos combinamos uma medicação com a terapia sexual. A partir de técnicas científicas e específicas, o homem desenvolve recursos para lidar com sua ansiedade, faz um treino para adquirir o controle ejaculatório e elabora questões ligadas às causas psicológicas, emocionais ou comportamentais que deram origem ao problema. Procure um (a) terapeuta sexual e faça uma avaliação.

* Fátima Protti é psicóloga, terapeuta sexual e de casal. Pós-graduada pela USP e autora do livro “Vaginismo, quem cala nem sempre consente". Escreva para a colunista: delas_amoresexo@ig.com.br

Leia todas as colunas de Fátima Protti

Leia mais em Amor e Sexo:
Sete atitudes que melhoram um relacionamento desgastado
Desregulagem hormonal e fatores que afetam a libido
16 lições dos relacionamentos dos famosos

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.