Sexóloga e colunista do Delas, Fátima Protti esclarece dúvida de leitora que não sabe como lidar com as recusas do parceiro

"Meu noivo tem 25 anos. Temos um sexo maravilhoso, mas muito raro. Apesar de estar com tesão, está muito cansado para fazermos sexo e isso me incomoda. Já falei com ele e sei que nem sempre ele está cansado. Ele simplesmente não liga tanto para o sexo, como fazia no princípio do namoro. O que devo fazer?”

Getty Images
"Ele está sempre cansado para o sexo": perda da libido pode ser causada fatores físicos ou psicológicos

Cara leitora, seu noivo é muito novo para não ter vontade de transar. Nessa idade os homens estão sexualmente a todo vapor e o sexo muitas vezes ajuda a liberar tensões e relaxar. Mas há períodos na vida em que o sexo não é seu foco.

A falta de motivação sexual pode ocorrer pela baixa ou ausência de libido. Conflitos conjugais, problemas financeiros, frustração na vida profissional, pressão e excesso de trabalho são alguns dos fatores que alteram significativamente o bem-estar psíquico e emocional de muitos homens, interferindo no foco e na sua disposição sexual.

Leia também
Especialistas explicam o que é e como ter um orgasmo duplo
Guia de etiqueta para o sexo casual

Problemas orgânicos, depressão, uso de antidepressivos, ansiolíticos e drogas, como crack e opiáceos, também diminuem a libido. A baixa hormonal é mais comum em homens na andropausa. E um caso extraconjugal também esfria a vida sexual do casal, pois a fonte de prazer passa a ser a amante.

Mas há algumas formas de se corrigir a rota. Mudanças na rotina muitas vezes são necessárias. Na fase do noivado há uma tendência para se fechar e viver somente uma vida a dois. O encontro com os amigos, a descoberta de novos lugares para diversão, lazer e a variação de interesses vão deixando lugar para viver a mesmice e isso pode diminuir a motivação geral de um dos lados do par.

Veja qual a temperatura da sua relação com o Termômetro Erótico

A sexóloga e colunista Fátima Protti tira dúvidas das leitoras
Edu Cesar/Fotoarena
A sexóloga e colunista Fátima Protti tira dúvidas das leitoras

Uma atividade física promove o bem-estar e auxilia a liberação da endorfina, hormônio que provoca relaxamento, sensação de prazer e euforia, além de inibir o estresse e a ansiedade. Uns quilinhos a mais podem dificultar certas posições ou levar ao cansaço rapidamente. O sexo exige um certo condicionamento e bom-humor. Também libera endorfinas, por isso ficamos contentes e relaxados após uma boa transa.

Querida, uma nova conversa entre vocês, sem cobranças, é necessária. Nem sempre é fácil para o homem falar sobre seus sentimentos e dificuldades, mas com jeitinho ele acaba se abrindo. Uma avaliação sobre o sexo, a relação e situações que envolvem a vida do parceiro facilita a localização do problema.

Reafirme que o sexo é maravilhoso e seu desejo por ele só aumenta. Use a imaginação para atrair e tornar a proposta da transa motivadora. Surpresas durante o banho a dois, massagem, filmes, brinquedos e joguinhos eróticos podem despertar o interesse sexual. Se não houver mudanças procurem a ajuda de uma terapia sexual.

* Fátima Protti é psicóloga, terapeuta sexual e de casal. Pós-graduada pela USP e autora do livro “Vaginismo, quem cala nem sempre consente". Escreva para a colunista: delas_amoresexo@ig.com.br

Leia mais colunas de Fátima Protti

Leia mais em Amor e Sexo:
Sete atitudes que melhoram um relacionamento desgastado
Desregulagem hormonal e fatores que afetam a libido
16 lições dos relacionamentos dos famosos

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.