Quando bem preparada, a comida brasileira é gostosa e saudável. Culinarista esclarece porque é recomendável estimular que os filhos experimentem alimentos diferentes

Não importa em que região do Brasil você mora, nem se a cidade é grande ou pequena, o fato é que sempre que saímos da nossa zona de conforto, daqueles pratos que estamos acostumados a comer e servir para as crianças, tudo fica difícil e sempre parece que nossos filhos não vão aceitar nada que seja novidade.

Mas aqui vai um conselho: tenha calma! Diferente só significa diferente. O diferente não precisa ser ruim e muito menos fazer mal à saúde - claro que o cuidado com a procedência e higiene no preparo deve ser sempre observado.

Vatapá é um dos pratos mais tradicionais do nordeste brasileiro
Thinkstock/Getty Images
Vatapá é um dos pratos mais tradicionais do nordeste brasileiro

Nosso país é imenso, com uma enorme variedade de culturas, com graus de desenvolvimento diferente, poder aquisitivo diferente, climas diferentes e tantas outras diferenças. Isso tudo acaba tornando a culinária brasileira rica ao extremo, e os pratos mais característicos de cada região, preparados com ingredientes tradicionais e de qualidade, são em geral bastante saudáveis. Isso graças ao nosso clima abençoado, que nos permite acesso a tudo fresco e bom o ano inteiro.

Leia também: Como temperar a comida das crianças

De Norte a Sul, a diferença na culinária é gritante, com alguns poucos ingredientes em comum. E nesse grupo seleto ainda enfrentamos a dificuldade dos nomes. O mesmo item, muitas vezes, recebe denominações diferentes de um estado brasileiro para outro. Um bom exemplo disso é a mandioca, também conhecida por aipim ou macaxeira. A mandioquinha é outro: batata-baroa, baroa, batata-aipo, batata-salsa. O nome não importa. Quando bem preparada, a comida brasileira é tudo de bom e você deve estimular o seu filho a experimentar o diferente.

Bolinho de aipim com carne seca é um prato característico da região Sudeste
Thinkstock/Getty Images
Bolinho de aipim com carne seca é um prato característico da região Sudeste

Para começar a perder o medo de pratos regionais, procure uma receita que não leve industrializados  (eles são desnecessários nas receitas tradicionais), estude os ingredientes e o modo de preparo antes para confirmar se conseguirá tudo o que precisa e prepare em casa sua receita típica.

Se preferir ir a um restaurante , peça para falar com o chef, pergunte sobre a origem dos ingredientes e temperos. E leve as crianças junto porque se familiarizar com a culinária do país é uma boa aula de conhecimentos gerais para qualquer idade. E esse negócio de comida de adulto e comida de criança  é pura bobagem. Todos podem e devem comer de tudo!

>> Veja abaixo um pouco mais sobre a cultura culinária de cada região:

Região Norte
Essa localidade tem a maioria dos seus pratos baseada na cultura indígena e aproveita principalmente ingredientes da região amazônica, especialmente os peixes. Tem tambaqui, tucunaré, pirarucu e outros. Das frutas, temos o açaí (que já está virando paixão nacional), cupuaçu, buriti, araçá-boi, camu-camu, graviola e tucumã. Mais perto do litoral, o camarão também é bastante utilizado. As pimentas , fortes ou apenas aromáticas, também são um ingrediente importante no norte do nosso país, e seu consumo deve, sim, ser estimulado. Elas fazem muito bem - para adultos e crianças!

Dentre os pratos regionais mais conhecidos, podemos citar: caruru, bolo de macaxeira, damurida, mojica de peixe, pato no tucupi, peixada de tucunaré, pescada paraense e tacacá.

Região Nordeste
É possível dividir a culinária nordestina em pratos comuns na faixa litorânea, à base de peixes e frutos do mar, e outros típicos do sertão, em geral à base de carnes frescas ou secas. O azeite de dendê - proveniente de um coco, portanto com propriedades bastante similares ao óleo de coco-, também é bastante usado na região.

Dentre os pratos mais conhecidos, temos: acarajé, baião de dois, buchada de bode, camarão frito, carne de sol, caruru, cuscuz de milho, frango com batata, fritada de siri, lagosta, macaxeira, moqueca de peixe, ostras, paçoca de carne, queijo coalho, vatapá e tapioca.

Região Sul
Essa localidade sofre forte influência das colônias italiana e alemã e tem como base culinária especialmente carnes bovinas e suínas, à exceção do litoral catarinense, que usa prioritariamente peixes de água salgada e frutos do mar.

Entre os pratos mais característicos, é possível destacar: arroz carreteiro, barreado, caldo de mocotó, chimarrão, churrasco bovino e suíno, costela fogo de chão, pinhão, polenta, roupa velha, rabada, fortaia, queijos, vinhos e salames.

Região Sudeste
Tem muita influência da culinária portuguesa, mas, por ser uma região populosa, ocorreu o encontro de inúmeras culturas do mundo inteiro.

Nesta região, a lista de pratos conhecidos é bem extensa, vou citar apenas alguns: aipim, bacalhoada, bolinho de aipim com carne seca, bolinho de bacalhau, caldo verde, camarão com chuchu, canjiquinha, strogonoff de carne, feijoada, filé Oswaldo Aranha e picadinho.

Região Centro-Oeste
Aldeias indígenas da região influenciam a culinária dessa parte do Brasil, que privilegia muitos ingredientes locais, como pequi, carnes de caça e peixes de rio.

A culinarista Pat Feldman tira dúvidas sobre alimentação infantil
Digulgação
A culinarista Pat Feldman tira dúvidas sobre alimentação infantil

Dentre os pratos mais comuns, se destacam: abobrinha recheada, arroz com pequi, caldo de piranha, empada goiana, capivara na caçarola, galinha caipira, galinhada, guariroba, pacu assado, ventrecha de pacu e pequi.

* Pat Feldman é culinarista e criadora do Projeto Crianças na Cozinha , que traz receitas infantis saudáveis, saborosas e livre de industrializados. É também autora do livro de receitas "A Dor de Cabeça Morre Pela Boca", escrito em parceria com seu marido, o médico Alexandre Feldman. Na coluna “Cozinha com Crianças”, ela fala quinzenalmente sobre gastronomia infantil.

Envie dúvidas e sugestões para criancasnacozinha@gmail.com


Leia também:
Refeições em família reforçam união entre pais e filhos
Como viajar com crianças sem passar fome e sem apelar para industrializados

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.