Culinarista ensina como fazer a comida do bebê em casa e lista opções de ingredientes para variar o preparo do prato

Na semana passada, falamos aqui na coluna sobre a importância da papinha do bebê ser feita em casa, com ingredientes de qualidade. Agora, vou explicar como se faz uma boa papinha e dar ideias para variar os pratos dos pequenos.

Você começa comprando os ingredientes e, por favor, sempre dê preferência a legumes orgânicos porque bebês não precisam se contaminar com agrotóxicos desde cedo.

Conforme o bebê for se acostumando à nova textura do alimento e aprendendo como mastigar e engolir, elimine o liquidificador/processador e passe a amassar os alimentos com o garfo
Thinkstock/Getty Images
Conforme o bebê for se acostumando à nova textura do alimento e aprendendo como mastigar e engolir, elimine o liquidificador/processador e passe a amassar os alimentos com o garfo

Não espere que logo nas primeiras vezes seu bebê vá comer mais do que uma ou duas colheres de sopa de papinha. Lembre-se que até então ele só mamava um líquido de sabor quase sempre igual e através de um bico - do peito ou da mamadeira. Não dá para achar que de uma hora para outra, ainda sem dentes, ele vá aceitar numa boa um alimento de gosto completamente novo, oferecido de outra forma - na colher - e a uma temperatura diferente. Paciência é a palavra-chave na introdução de alimentos sólidos aos bebês.

O esquema de montagem de uma boa papinha é basicamente combinar seis ingredientes:

> 1º ingrediente: 1/2 xícara de legume ou raiz - utilizar desde a primeira receita de papinha
> 2º ingrediente: de 1 a 2 colheres de sopa de carne - utilizar desde a primeira receita de papinha
3º ingrediente: de 1 a 4 colheres de sopa de caldo caseiro  - utilizar desde a primeira receita de papinha
4º ingrediente: 1 colher de óleo ou gordura natural, não processada - utilizar desde a primeira receita de papinha
5º ingrediente: 1/4 de xícara de verduras - utilizar a partir dos 8 a 9 meses de idade
6º ingrediente: ervas e condimentos naturais, frescos ou desidratados a gosto - utilizar a partir dos 8 a 9 meses de idade

>> Clique aqui e veja as minhas receitas de papinhas

Opções para variar a papinha

1º ingrediente
Você pode usar apenas um deles ou a combinação de mais de um. Algumas sugestões de legumes são: mandioquinha, beterraba, batata-doce, abóbora, inhame, abobrinha italiana ou brasileira, mandioca, nabo e rabanete.

2º ingrediente
A carne na papinha é importante nessa fase. O peixe pode ser oferecido, porém é menos recomendado já que pode causar alergia em alguns casos. Sugiro algumas opções de carne: bife de fígado bovino, fígado de galinha, caipira, ossobuco ou costela desfiada (quando utilizada no preparo do caldo de carne caseiro por ter sido cozida longamente fica extremamente macia) e frango caipira desfiado (as carnes mais escuras são as mais nutritivas).

3º ingrediente
Os caldos caseiros são nutritivos, saborosos e não podem faltar na preparação das papinhas. Veja algumas sugestões: caldo de carne, caldo de frango caipira, caldo de peixe (com o cuidado de esperar chegar perto de um ano de idade para o seu uso e fazê-lo em casa, com peixes bem frescos), caldo de legumes (a falta da carne o torna bem menos nutritivo, porém ainda assim bastante saboroso) e caldo de mocotó (rico em cálcio, porém não acrescenta sabor significativo à papinha). 

4º ingrediente
Óleos e gorduras operam milagres no sabor dos alimentos. A mesma papinha preparada apenas com gorduras diferentes pode apresentar sabores totalmente distintos. Você pode usar um desses tipos de gordura: manteiga, óleo de coco extra-virgem,   gordura de palma, gordura do caldo de carne, gordura do caldo de frango, gordura de pato (compra-se avulsa ou se usa a que é formada no preparo do caldo de pato), azeite de oliva extra-virgem (para finalizar apenas. Nunca aqueça o azeite).

5º ingrediente
As verduras são ricas em fibras e devem ser introduzidas na alimentação do bebê somente depois dele estar completamente familiarizado com o ato de comer. Não tenha pressa. Listo algumas verduras que podem ser usadas: couve manteiga, couve-flor, brócolis, escarola, alface, radiccio, rúcula, agrião, repolho (usar a versão em conserva lacto-fermentada, que é mais fácil de digerir), couve de Bruxelas, acelga, chicória, almeirão, espinafre e mostarda (folhas).

6º ingrediente
Ervas e condimentos possuem diversos nutrientes importantes e, de quebra, acrescentam sabor e aroma deliciosos ao alimento do seu bebê. Para quem não tem muita familiaridade com temperos, apresento algumas opções: alecrim, alfavaca, açafrão, açafrão da terra, cardamomo, curry, erva doce, galanga, gengibre, louro, manjericão, manjerona, mostarda (grãos moídos), sálvia, tomilho, orégano, salsinha, cebolinha, coentro, alho, cebola, urucum, pimentas (comece com as mais adocicadas, rosa e verde, e depois as outras, sem medo), sal não refinado, noz-moscada, macis (a casca da noz moscada), canela, hortelã, menta e dill.

>> Veja outras colunas da culinarista Pat Feldman

Modo de Preparo

Para fazer uma boa papinha caseira, você deve cozinhar o legume ou raiz no vapor juntamente com a carne até que estejam bem macios. Leve ao processador de alimentos ou liquidificador e acrescente o caldo de carne e a manteiga. Bata bem até virar um creme.

Ofereça o alimento morninho ao seu bebê, numa temperatura próxima a qual ele está acostumado quando toma o leite. Pode também oferecer frio ou gelado.

Conforme o bebê for se acostumando à nova textura do alimento e aprendendo como mastigar e engolir, elimine o liquidificador/processador e passe a amassar os alimentos com o garfo. Essa fase de transição é rápida, de uma semana a 10 dias em média, e é importante para que o bebê aprenda a nova forma de alimentação e não estranhe a mudança, o que poderia fazê-lo recusar o alimento.

Aos poucos, deixe cada vez mais pedacinhos na comida, até que ele tenha todos os dentes e seja capaz de mastigar pedaços maiores.

Papinhas doces

Na verdade, o que seu bebê menos precisa nessa fase da vida é de açúcar, então, para mim, papinhas doces são frutas picadas e/ou amassadas, cruas ou cozidas, preparadas de modo que o bebê aprecie.

Se o seu filho não tem nenhum tipo de alergia ou intolerância a produtos lácteos, o iogurte natural integral pode ser um ótimo acompanhamento para essas frutas.

Algumas frutas, ricas em pectina, devem ser cozidas antes de oferecidas aos bebês, já que essa substância pode ser bastante irritante para o trato digestivo ainda imaturo dos pequenos. Dentre elas, podemos citar pêssegos, damascos, peras, maçãs, cerejas e frutas vermelhas em geral.

A culinarista Pat Feldman tira dúvidas sobre alimentação infantil
Digulgação
A culinarista Pat Feldman tira dúvidas sobre alimentação infantil

Como frutas cozidas tendem a ficar mais concentradas em açúcar (frutose), é preciso compensar essa condição incluindo algum tipo de gordura. As melhores opções são o iogurte natural integral, manteiga, óleo de coco extra-virgem ou cream cheese caseiro. Além de fornecer nutrientes importantíssimos, a inclusão de um desses ingredientes torna as papinhas de frutas incrivelmente saborosas.

* Pat Feldman é culinarista e criadora do Projeto Crianças na Cozinha, que traz receitas infantis saudáveis, saborosas e livre de industrializados. É também autora do livro de receitas "A Dor de Cabeça Morre Pela Boca", escrito em parceria com seu marido, o médico Alexandre Feldman. Na coluna “Cozinha com Crianças”, ela fala quinzenalmente sobre gastronomia infantil.

Envie dúvidas e sugestões para criancasnacozinha@gmail.com

Leia ainda:
Aprenda a fazer comida divertida para as crianças
Os 10 piores alimentos para as crianças

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.