Culinarista explica por que preparar a comida das crianças em casa é melhor do que optar pelo produto industrializado e o que não pode faltar nessas preparações

Hoje em dia, a maioria das pessoas que pensa em fazer papinhas em casa leva em consideração razões financeiras e o fato de serem a opção mais saudável para seus bebês nem sempre tem importância. Mas fique sabendo: nenhum alimento industrializado, enriquecido artificialmente com o que quer que seja, consegue ser mais saudável e nutritivo do que uma boa comidinha feita em casa.

nenhum alimento industrializado, enriquecido artificialmente com o que quer que seja, consegue ser mais saudável e nutritivo do que uma boa comida feita em casa
Thinkstock/Getty Images
nenhum alimento industrializado, enriquecido artificialmente com o que quer que seja, consegue ser mais saudável e nutritivo do que uma boa comida feita em casa


Graças ao marketing agressivo das indústrias alimentícias, as papinhas industrializadas adquiriram uma fachada de alternativa mais segura, mais saborosa e mais nutritiva do que as caseiras, preparadas pela própria mãe com todo amor e carinho. Um grande engano!

>> Clique aqui para ler outras colunas da culinarista Pat Feldman

Um produto desvitalizado, vendido em farmácias ou supermercados, que dura meses sem congelamento nem ao menos refrigeração jamais poderia ser comparado a um alimento caseiro preparado com dezenas de ingredientes naturais e selecionados por você, pessoalmente. Além disso, terá o prazer de sentir que está, de fato, alimentando e nutrindo seu filho, fazendo com que ele cresça forte, bonito e com saúde vibrante.

O que não pode faltar

As primeiras papinhas do bebê serão fundamentais para a educação de seu paladar e saúde como um todo. Deixar um alimento com gosto bom é ate fácil nos dias de hoje, graças a tantos aditivos artificiais. O desafio é deixá-lo não apenas saboroso, mas também saudável. O desafio é nutrir bem o seu filho nessa fase tão importante do seu desenvolvimento, oferecendo o máximo de prazer com sabores, aromas e texturas variadas, agradáveis, naturais e apetitosas.

A base de uma boa papinha é um bom caldo caseiro.  Carne e frango (caipira sempre e orgânico, se possível) são ingredientes fundamentais e devem aparecer em todas as preparações. Os caldos caseiros à base de carnes, ossos, legumes e ervas são líquidos preciosos, extremamente nutritivos e saborosos, e são utilizados nas mais tradicionais culinárias do mundo todo.

Leia também: Os 10 piores alimentos para as crianças

Prepare seu caldo em casa ou encomende de alguém de muita confiança que o faça, mas se certifique sempre de usar a melhor matéria-prima possível.

Absorção de nutrientes

A manteiga e a gema de ovo  são importantíssimas para a absorção dos nutrientes presentes nos demais ingredientes da papinha. Isso porque possuem vitaminas A e D, sendo que a vitamina A é encontrada tanto na manteiga como na gema de ovo e a vitamina D apenas na manteiga.  Portanto, inclua os dois itens na preparação da papinha caseira.

A gordura da gema de ovo e da manteiga também contém um ácido graxo essencial chamado ômega 3, substância importantíssima para a saúde do cérebro e de todas as células do corpo. O ômega 3 deve estar em equilíbrio com o ômega 6, outro ácido graxo.

A culinarista Pat Feldman tira dúvidas sobre alimentação infantil
Digulgação
A culinarista Pat Feldman tira dúvidas sobre alimentação infantil

A alimentação atual, entretanto, fornece muito mais ômega 6 do que ômega 3, causando um desequilíbrio que pode predispor os indivíduos a apresentar distúrbios na saúde do cérebro, assim como processos inflamatórios e degenerativos por todo o organismo. Na saúde do bebê e da criança isso pode significar hiperatividade, dificuldades no aprendizado, desvios de comportamento, depressão, enxaqueca, entre outros problemas.

Na próxima coluna, vou dar dicas de como preparar uma boa papinha em casa, usando ingredientes de qualidade e muito saborosos.

* Pat Feldman é culinarista e criadora do Projeto Crianças na Cozinha, que traz receitas infantis saudáveis, saborosas e livre de industrializados. É também autora do livro de receitas "A Dor de Cabeça Morre Pela Boca", escrito em parceria com seu marido, o médico Alexandre Feldman. Na coluna “Cozinha com Crianças”, ela fala quinzenalmente sobre gastronomia infantil.

Envie dúvidas e sugestões para criancasnacozinha@gmail.com

Leia ainda:
30 maneiras de deixar seu filho mais saudável
Como fazer seu filho comer verduras e legumes

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.