Conheça as dicas dos arquitetos para construir uma piscina no quintal de casa

_CSEMBEDTYPE_=inclusion&_PAGENAME_=delas%2FMiGComponente_C%2FConteudoRelacionadoFoto&_cid_=1237509630481&_c_=MiGComponente_C

Ter uma piscina em casa pode ser uma solução muito agradável para reunir amigos e a família no verão. Há, porém, detalhes importantes que devem ser estudados antes de abrir um buraco no quintal para encher de água.

A primeira medida a ser tomada é verificar se o espaço realmente comporta uma piscina. É bobagem instalar em um espaço muito pequeno. Neste caso, prefira uma hidromassagem ou um ofurô, afirma a arquiteta Ângela Martins, especialista no assunto.

Segundo ela, é preciso estudar a estrutura do solo, pensar na manutenção, segurança, economia e iluminação antes de decidir por um tipo de piscina.

A profundidade média de uma piscina residencial PE de 1,5 metro, mas isso pode variar de acordo com o objetivo de uso. Pode ser mais rasa, se for para crianças ou apenas para o dono se sentar e tomar um drink em dias muitos quentes ou mais profunda para esportes, diz o arquiteto Leonardo Junqueira.


Alvenaria, fibra de vidro ou vinil

Mais fácil de ser instalada, a piscina de fibra de vidro pode ser encontrada em diferentes tamanhos e formatos, a partir R$ 12 mil. O tamanho básico tem 4 x 8 metros e profundidade padrão de 1,5 metro. Elas são as mais fáceis de limpar, mas requerem maior cuidado no uso, pois objetos pontiagudos podem perfurá-la, diz. Ângela.

Já as piscinas de alvenaria são mais caras ¿ um modelo de 6 x 8 metros custa a partir de R$ 50 mil ¿ e requerem mais cuidados na hora de limpar. É necessário ter atenção redobrada com a limpeza dos azulejos, pastilhas e rejuntes, aponta a arquiteta. Entretanto, esse modelo permite inovar no formato, no revestimento ¿ é possível usar pastilhas coloridas ou pedras ¿ e na iluminação interna.

Uma terceira opção são as piscinas de vinil, que funcionam como as de alvenaria, mas em vez de levar revestimentos de pastilhas ou azulejos, são finalizadas com placas de vinil.

Outra solução é colocar a piscina de fibra de vidro sobre o solo, sem que seja necessário abrir um buraco no chão. Neste caso é preciso fazer o acabamento do local com um projeto de paisagismo ou deck de madeira para esconder a estrutura que ficará à mostra.

Quem pretende ter uma piscina no apartamentos terá de redobrar a atenção com a estrutura e a vedação. Nesse caso, é necessário fazer um assentamento de concreto armado e madeira onde a piscina será construída ou usar um modelo de fibra transparente que possa ficar suspenso.


Cuidados essenciais

Técnico em projetos e manutenção de piscinas da MSO Service, Ivan Ferreira de Lima afirma que uma piscina de alvenaria leva 90 dias, no mínimo, para ficar pronta.  Já uma de fibra de vidro ou vinil pode ficar pronta em um mês. Por isso mesmo, ainda quiser aproveitar o verão deste ano com uma piscina só sua deve optar por um modelo pré-fabricado de fibra de vidro.

Para fazer a de vinil é preciso abrir um buraco no solo e o impermeabilizar com concreto, assim como deve ser feito para a alvenaria de qualquer obra residencial, diz ele.

Seja qual for o tipo de piscina escolhido, é essencial que a instalação seja feita por especialistas, para minimizar o surgimento de infiltrações e que um sistema de filtragem seja acoplado desde o início para garantir a higienização da água. Entre os filtros mais utilizados está o de poliéster, que absorve inclusive as partículas invisíveis a olho nu.


Consultoria:
Ângela Martins Escritório de Arquitetura ¿ (11) 3031-1438
Leonardo Junqueira Escritório de Arquitetura ¿ (11) 3088-7578
MSO Service - (11) 5071-3141

    Leia tudo sobre: casa
    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.