Saiba como escolher, instalar e cuidar do aquário ideal para enfeitar o ambiente

Os aquários devem ficar longe das janelas para não provocar o aparecimento excessivo de algas e o aquecimento da água
Divulgação
Os aquários devem ficar longe das janelas para não provocar o aparecimento excessivo de algas e o aquecimento da água
Além levar um pouquinho da natureza para dentro de casa, os aquários são um importante elemento decorativo, ganhando, muitas vezes, posição de destaque no ambiente. Daí a necessidade de serem pensados com cuidado para não destoarem do estilo da casa. Que o diga Clô Souza e Silva, personagem de Irene Ravache na novela global "Passione" que, após conseguir mudar-se do Cambuci para uma casa no bairro do Jardim América - ambos em São Paulo -, se depara com a dificuldade em encaixar o aquário de estimação de seu marido Olavo, vivido por  Francisco Cuoco, à nova decoração.

Nessas horas, escolher o formato, o material - vidro ou acrílico -, o tamanho e o acabamento do aquário, além do local em que ele será instalado é essencial não só para não destoar do projeto e da proposta de decoração, mas também para garantir uma vida saudável aos peixes.

“É possível encontrar desde os modelos tradicionais, como globos e retangulares, aos confeccionados sob medidas e com formatos diferenciados, como os sextavados e com vidro curvo”, diz Nicolas Lory, assistente técnico da Dream Fish.

Porém, independentemente do modelo escolhido, é importante lembrar que no aquário existirá um pequeno ecossistema que precisará de espaço e de alguns itens fundamentais para se desenvolver adequadamente.

Onde colocá-lo?

Antes da compra, é preciso planejar quantos peixes adultos – lembre-se que eles são vendidos, geralmente, ainda jovens - serão acomodados no aquário para saber qual o tamanho ideal. “São muito os fatores que interferem no tamanho exato do aquário, como temperatura, quantidade de oxigênio dissolvido na água, espécies de peixes, tipo de filtragem...”, afirma Lory.

Uma fórmula relativamente simples é calcular 120 cm² de superfície de água para cada centímetro de peixe. Assim, um peixe de 6 cm necessitará de 720 cm² de superfície de água, o que equivale a um quadrado de 27 x 27 cm da superfície total do aquário. “Porém, essa fórmula é limitada porque ignora a profundidade do aquário, visto que é calculada pela superfície”, avisa o técnico aquarista. “O ideal mesmo é consultar uma loja especializada", completa.

O local no qual será disposto é outro aspecto que merece atenção. “Evite lugares próximos a janelas ou com iluminação direta, pois pode provocar o aparecimento excessivo de algas e o aquecimento da água”, alerta Nassim Cauê, aquarista do Aquário do Brasil.

Recurso vital

Para aquários de água doce, utilize água de torneira com condicionadores para eliminar cloro e metais pesados. Atenção: A água mineral não é indicada pois é uma solução diluída em sais minerais, prejudiciais ao ecossistema.

Em aquários marinhos, segundo Sandro Di Frederico, proprietário da Aquallun, usa-se água deionizada (processo de remoção dos íons) para evitar a proliferação de algas indesejadas.


O uso de detregentes é proibido, pois podem contaminar a água ou esponjas, que podem riscar o vidro
Divulgação
O uso de detregentes é proibido, pois podem contaminar a água ou esponjas, que podem riscar o vidro

Limpeza

“É muito importante escolher um sistema de filtros adequados para o volume de água e trocá-los periodicamente. Além disso, o próprio ecossistema presente no aquário cria uma filtragem biológica que elimina resíduos orgânicos tóxicos”, afirma o especialista da Dream Fish.

Mesmo assim, é primordial trocar a água a cada 15 dias – no caso de água doce – e uma vez por mês – no caso de água salgada -, pois há elementos que os filtros não conseguem remover. “A manutenção consiste em troca da água, limpeza dos filtros a cada dez dias e sifonagem (processo de separação de substâncias por desnível, com a ajuda de um sifão) para retirada de dejetos. É importante destacar que se pode retirar apenas 1/3 do volume de água e o recipiente deve ser abastecido com líquido na mesma temperatura para evitar choque térmico”, alerta o profissional do Aquário do Brasil.

“Os vidros devem ser limpos com panos umedecidos. Não utilize detergentes pois podem contaminar a água ou esponjas, que podem riscar o vidro”, completa Frederico.

Os aquários com plantas requerem um cuidado diferenciado. “Normalmente é preciso aplicar injeções de CO2 para nutrir as espécies vegetais aquáticas e instalar uma iluminação apropriada para não agredir as plantas. Também deve ser feita poda periódica a fim de evitar sombra sobre os exemplares menores”, diz Lory.

Manutenção

Pensa que os cuidados param por aí? Então fique atento às próximas dicas. O aquário não deve receber iluminação por mais de nove horas para oferecer as condições ideais aos seres vivos. Além disso, é preciso instalar termostatos para manter a temperatura correta, que muda conforme a espécies do cardume. “Em aquários tropicais, com peixes como o acará disco ou bandeira, devem permanecer em torno de 28 graus. Para carpas, a temperatura é de aproximadamente 25º C”, revela o profissional da Dream Fish.

O proprietário da Aquallun ainda alerta sobre outros pontos importantes: o controle do pH e a validade das lâmpadas para certificar-se que proverão a iluminação necessária.

Custo
Anotou todas as dicas? Agora programe-se para a compra. O valor vai depender das dimensões e equipamentos escolhidos, podendo variar de R$ 140 a R$ 3.000.

Serviços :
Aquário do Brasil
Rua Marquês de Itu, 151 - São Paulo (SP)
Tel: (11) 3222-7139

Aquallun
Rua Itupava, 781 – Curitiba (PR)
Tel: (41)3264-2043

Dream Fish
Rua Clodomiro Amazonas, 250 - São Paulo (SP)
(11) 3079-1131