COLOR: black; FONT-FAMILY: ArialO valor do condomínio é uma das principais preocupações de quem mora em um apartamento

_CSEMBEDTYPE_=inclusion&_PAGENAME_=delas%2FMiGComponente_C%2FConteudoRelacionadoFoto&_cid_=1237508109291&_c_=MiGComponente_C

Essa taxa é cobrada dos condôminos para cobrir gastos de administração do prédio, assim como os salários e encargos sociais, consumo de água, energia, esgoto, limpeza, conservação, manutenção de equipamentos, seguro, entre outros, variando em alguns casos.

Alguns fatores podem aumentar essa taxa, como uma má administração do dinheiro arrecadado e a falta de manutenção em equipamentos básicos que podem vir a gerar custos extras. Além disso, algumas ações que afetam diretamente a economia podem refletir rapidamente nesses gastos.

O aumento de R$ 35,00 no valor do salário mínimo injetará pelo menos R$ 1,61 bilhão por mês na economia do país, e quem mais sente o impacto desse reajuste são os administradores ligados à remuneração básica, como os que pagam funcionários de condomínios, explica Marcos Crivelaro, professor Phd da FIAP (Faculdade de Informática e Administração Paulista).

Segundo Crivelaro, a taxa de condomínio poderá ter reajuste médio de 4,5%, porém não existe nenhuma forma prevista de reajuste automático para as contribuições condominiais, pois o que determina a forma e o valor a serem arrecadados são as assembléias ocorridas em cada prédio.

Para o aumento não chegar de surpresa no seu bolso, conversamos com o professor Marcos Crivelaro e separamos sete dicas práticas que podem controlar o valor do seu condomínio:

Água e luz: essas despesas representam 20% dos gastos dos edifícios. Implemente campanhas para uso racional de água e de energia elétrica. É aconselhável utilizar o uso de lâmpadas fluorescentes e sensores de movimento. E faça vistorias constantes nas caixas dágua e nos apartamentos para diminuis possíveis números de vazamentos.

Menos funcionários: as despesas e encargos trabalhistas com funcionários representam metade dos gastos totais dos condomínios. Se for possível, reduza o quadro de funcionários e evite pedir para os empregados trabalharem além do horário normal para não pagar hora-extra. 

Pesquisas de preços na aquisição de produtos: de limpeza, de manutenção predial e de segurança. Controle a entrada e retirada desses materiais evitando, desta forma, furtos, desvios ou desperdícios.

Manutenção preventiva: para evitar problemas como vazamentos e entupimentos de pias e tanques é necessário estar sempre atento às caixas de gordura. Elas não requerem muito trabalho para manutenção, mas em compensação, se forem deixadas de lado, podem causar grandes transtornos financeiros ao condomínio. Efetue a limpeza das caixas d'água e dos filtros de tratamento da água das piscinas, regularmente. 

Evite pagar multas: o condômino que realizar obras que comprometam a segurança da edificação, ou que alterem a forma e a cor da fachada, das partes e esquadrias externas ou que causem prejuízos ao sossego, salubridade e segurança, poderá, por deliberação de 3/4 dos condôminos restantes, ser obrigado a pagar multa correspondente até o quíntuplo do valor atribuído à contribuição para as despesas condominiais, conforme a gravidade das faltas. No caso de atraso no pagamento de condomínio o devedor ficará sujeito aos juros moratórios convencionados ou, não sendo previstos, os de 1% ao mês e multa de até 2% sobre o débito.

Aluguel de garagem: caso não utilize sua vaga no estacionamento, o condômino poderá alugá-la para terceiros.

Reciclagem: separar o lixo para reciclagem é uma maneira de ajudar o planeta a economizar recursos e o seu condomínio pode fazer parte disso. Para se ter uma idéia, a reciclagem de uma única lata de alumínio é capaz de produzir economia de energia suficiente para manter uma geladeira ligada por quase 10 horas.

    Leia tudo sobre: casa
    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.