Se usados com bom gosto, pisos e azulejos se transformam em verdadeiras obras de arte

_CSEMBEDTYPE_=inclusion&_PAGENAME_=delas%2FMiGComponente_C%2FConteudoRelacionadoFoto&_cid_=1237508148285&_c_=MiGComponente_C

Acordo Ortográfico
Hoje em dia, quem visita lojas de materiais de construção sabe que escolher revestimentos não é tarefa fácil. É muito comum ficar perdido no meio de tantas opções de cores, texturas, materiais e formatos, mas com algumas direções fica bem mais fácil saber o que quer e conseguir usar essa diversidade a seu favor.

Divulgação

A primeira lição é esquecer que pisos e azulejos foram feitos somente para banheiros e cozinhas. Eles estão em todos os cômodos da casa que lhes convir. Prova disso é o local onde foi ambientado o modelo Piemonte Noce (ao lado), da Gyotoku, que orna muito bem com a estante de madeira rústica e o clima italiano da cena. Por ser neutro, esse revestimento ficou muito bem na parede e no piso, se diferenciando apenas pelo formato e a forma como foi colocado. 

"No banheiro, o revestimento é o centro das atenções. Por isso, são usadas diversas cores e tons, de acordo com a personalidade da pessoa", diz Thaís Pazko, coordenadora nacional de especificações da Gyotoku.

Divulgação

E, assim como os pisos e azulejos estão sendo usados em outros cômodos, os banheiros e cozinhas também estão usando outros tipos de revestimentos, como nesse ambiente em que foi instalado o porcelanato Crema (ao lado), da Gyotoku.

Como tudo é clarinho e bem clean, a banheira foi revestida com um material mais escuro pra quebrar a unidade, diz Thais. Já para as cozinhas, Thais prefere peças grandes. "Com produtos maiores, você tem menos áreas de rejunte, que significa menos sujeira acumulada", explica.

Engana-se quem pensa que usar o mesmo revestimento no piso e na parede é uma escolha segura e difícil de errar. Dependendo do tom ou do material do revestimento, o resultado final pode ser desastroso. Fazendo isso, você pode correr o risco de pesar o ambiente com excessos ou deixá-lo neutro demais, diz Cristiane Ferreira, coordenadora de tendências da Portobello Shop. 

Divulgação


O banheiro ambientado com o porcelanato Venato Bianco, da Gyotoku, foi uma escolha acertada porque aposta na elegância eterna do preto e branco.



Divulgação

Mas, afinal, como usar revestimentos diferentes na medida certa? O quarto ambientado com um estilo de azulejo colonial da Gyotoku é um bom exemplo. Como o piso é bem neutro e num tom escuro, o azulejo tinha que ser mais claro, explica Thais.

"Para salas e quartos, o ideal é usar revestimentos que combinem com o tom da madeira dos móveis", diz Thais. Além de tons neutros, como branco e off-white, ela indica acabamentos foscos e grandes formatos.

Além da beleza, existem diversos aspectos que precisam ser levados em conta antes de comprar os revestimentos. Por exemplo, madeira em combinação com couros e peles aquece os ambientes, portanto, é ideal para criar salas aconchegantes, com mais intimidade. 

Já as pedras são ideais para ambientes mais rústicos, e não devem ser combinadas com outros materiais brilhantes, mais elegantes. Essa regra também vale para materiais nobres, como o mármore e revestimentos dourados.

Também existe a possibilidade de criar efeitos visuais usando revestimentos ópticos, com quadrados, círculos e outras formas geométricas, que podem dar sensação de amplitude. Vale também se certificar de que o produto é fácil de limpar e de fazer a manutenção, assim como sua durabilidade.


Leia mais sobre: pisos e azulejos


Serviço:
Gyotoku
Portobello Shop

    Leia tudo sobre: casa
    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.