Cansou da cor do piso e do azulejo, mas não quer saber de reforma radical? Simples: basta pintar para mudar o visual!

_CSEMBEDTYPE_=inclusion&_PAGENAME_=delas%2FMiGComponente_C%2FConteudoRelacionadoFoto&_cid_=1237508185820&_c_=MiGComponente_C

Se você mora em um apartamento antigo e não gosta da cor dos azulejos e do piso de cerâmica da cozinha e do banheiro, existem duas opções: a primeira é quebrar tudo e aplicar no lugar revestimentos novos e modernos. E a segunda, mais indicada para orçamentos curtos ou para quem mora de aluguel, é pintar!

A arquiteta Márcia Gullo, por exemplo, optou pela pintura do piso de seu apartamento e aprova o resultado. Quando comprei o imóvel, há 15 anos, o piso estava em péssimas condições. O prédio é de 1975 e, na época, se usava lajotas de barro que, neste caso, ainda estavam com verniz preto. A solução mais rápida e prática foi passar uma lixadeira, retirar o excesso do verniz e pintar com tinta epóxi branca. O resultado foi muito bom, porque renovou o piso e deixou o imóvel até mais claro. Tanto que mantenho até hoje esta opção, conta.

A arquiteta explica que reaplica a tinta epóxi a cada quatro ou cinco anos, porque, com o passar do tempo, vão surgindo algumas falhas pelo próprio uso: Arrastar móveis acaba desgastando a tinta, que pode descascar. Em algumas ocasiões, fiz somente pequenos reparos, mas o ideal é lixar e pintar de novo, indica.

A solução parece mágica para quem quer ver o banheiro e a cozinha branquinhos ¿ como são em geral os projetos atuais ¿ e não está disposto a fazer grandes mudanças; mas, nem tudo é perfeito. O engenheiro Elias Fridman fez essa mesma opção quando quis renovar a cozinha de seu apartamento, cujos azulejos eram no tom creme, típico dos anos 80. No início, as paredes ficaram branquinhas; mas, com o tempo, foram amarelando. E o resultado ficou pior do que os azulejos originais, lembra.

Roni Martins, arquiteto, explica: A tinta epóxi branca acaba amarelando devido à gordura produzida pelo preparo dos alimentos, mas isso demora anos para acontecer. Outro arquiteto, Paulo Gazola, avisa que é preciso muita atenção com a pintura dos azulejos e dos pisos antigos. Eles não podem estar soltos, caso contrário o serviço fica comprometido. Mas se estiver tudo ok, a pintura certamente tem um custo muito menor do que a troca do revestimento e o trabalho é bem mais rápido, afirma.

Dicas técnicas

Segundo Kleber Tammerik, coordenador de serviço ao mercado da Suvinil, a condição mínima para que a pintura de azulejos tenha bom resultado é que a superfície esteja firme, limpa, seca e sem gordura, óleo ou graxa. O mais indicado é aplicar produtos à base de resina epóxi, sobretudo por causa da necessidade de aderência da pintura ao substrato cerâmico, que costuma possuir brilho e poucos poros, ensina.

Já Marcelo Rosset, também arquiteto, diz que recomenda a aplicação da tinta em paredes, mas não para o piso: Descasca facilmente, justifica. E dá outra sugestão: Quem não quer quebra-quebra, também pode aplicar painéis de fórmica sobre os azulejos existentes. Esse tipo de revestimento, aliás, é bem moderno e muito comum em cozinhas, banheiros e lavanderias de apartamentos, inclusive os novos.

Outra arquiteta, Carla Dichy, concorda que a pintura de azulejos é boa alternativa, especialmente em imóveis em que se pretende morar por pouco tempo. É um jeito econômico de dar uma cara mais legal. Eu recomendo a pintura com tintas apropriadas para quem pretende ficar em torno de um ano no apartamento. Se a intenção é que a reforma dure quatro ou cinco anos, então sugiro aplicar a tinta epóxi, que tem maior durabilidade, apesar de o custo ser um pouco mais elevado e o material ser mais difícil de se trabalhar. Mas Carla deixa bem claro: Quem quer realmente uma reforma durável deve investir mesmo na troca dos revestimentos.


Leia mais sobre: pintura de azulejos

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.