Alguns ambientes necessitam de um planejamento específico, como é o caso de espaços voltados para prestação de serviços na área da saúde

Que pedem a contribuição da arquitetura para uma melhora do resultado terapêutico de cada paciente.

Pensando nisso, a Gebara Conde Sinisgalli Arquitetos (GCSA) desenvolveu três projetos relacionados a essa área. Cada detalhe dos espaços é projetado de acordo com a forma que serão usados e tornam-se importante para aprimorar as funcionalidades e o desempenho dos profissionais, além da preocupação com o bem estar dos pacientes.

Para as arquitetas Bela Gebara, Gisele Conde e Patrícia Sinisgalli, um espaço bem arquitetado é potencialmente estimulante para a  cura, proporcionando, além do conforto dos pacientes, a permanente motivação das equipes de profissionais que neles atuam. Os sinais positivos devem partir de todos os detalhes, das referências estéticas à funcionalidade dos ambientes."

Elas explicam os critérios: O ponto de partida para a elaboração de um projeto de arquitetura na saúde é a especialidade médica, pois em cada caso o tratamento do paciente é diferente. Porém, em qualquer situação, eles precisam estar seguros sobre a qualidade dos serviços. Na prática, o primeiro contato com o ambiente de trabalho do profissional de saúde é tão importante quanto as consultas, o atendimento e as terapias."

No caso da UTI infantil do Hospital Sírio Libanês, o projeto considerou não apenas profissionais e pacientes, mas também as famílias, que em geral acompanham de perto todo o tratamento. Foram criados espaços específicos para acolher os acompanhantes com conforto e privacidade.

Quanto menos vulnerável física e psicologicamente estiver o paciente, mais receptivo ao tratamento. No caso das crianças, é preciso criar boas condições para a família, que desempenha papel importante na recuperação". O projeto usou cores, formas e texturas adequadamente estimulantes, o que contribui com o tratamento, mantendo o ânimo dos pacientes, acompanhantes e equipes profissionais. No caso das crianças, elementos lúdicos tornam a permanência no hospital mais agradável, fazendo com que se lembrem dos locais onde se divertem, e se sintam acolhidos."

Na clínica dermatológica, outro ambiente foi projetado como segunda recepção para receber amplas e confortáveis poltronas, acomodar uma bancada de livros de arte e TV plasma. Esse espaço serve, muitas vezes, como espera entre um procedimento e outro, por isso deve ser um local agradável, que acolhe o paciente, e também traz benefícios operacionais, pois deixa livre os espaços destinados a tratamentos, que são usados para execução de procedimentos em pacientes enquanto outros aguardam o atendimento.

Leia mais sobre: projetos de arquitetura

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.