Descubra quais são as espécies indicadas para pergolados e deixe a área de lazer mais charmosa

Um refúgio entre o verde. Assim são os pergolados, também conhecidos como pérgulas, que podem ser usados como área de descanso ou espaço de eventos para a realização de refeições ao ar livre, coberto por verde.

Há uma lista extensa de materiais que podem servir de base a plantas que darão vida aos pilares e cobertura. “Madeira, bambu, ferro, tijolo e eucalipto tratado estão entre as opções. Mas o importante é que a estrutura do pergolado combine com o restante da construção”, afirma a paisagista Ana Maria Cintra.

O colorido fica por conta das espécies, que devem ser escolhidas de acordo com alguns critérios básicos. “É importante verificar o clima e a atividade que ela irá desempenhar: cobrir um arco para ornamentação, compor um corredor ou apenas fazer parte de um recanto para relaxar”, diz a paisagista Letícia Lenz.

Para locais de passagem, a profissional não recomenda o uso de plantas com espinhos e ramos pendentes. “Elas podem atrapalhar a circulação”, explica.

A sete-léguas cobre a estrutura e a mantém florida o ano inteiro
Claudia Perrone
A sete-léguas cobre a estrutura e a mantém florida o ano inteiro
As espécies mais indicadas

As trepadeiras são sempre bem-vindas, pois além de belas garantem privacidade a quem está no local. “É possível escolher espécies que fecham o ambiente por inteiro”, afirma Ana Maria. A tumbérgia-azul (Thunbergia grandiflora) é uma das mais usadas por florescer o ano todo e crescer em ritmo acelerado.

“O jasmim-dos-poetas (Jaminum polyanthum), no entanto, é uma boa opção para jardins românticos”, sugere. Porém, a campeã de pedidos é a famosa primavera (Bougainvillea glabra), que é eclética e pode ser usada desde os projetos clássicos até os tropicais. “Ela é cultivada em praticamente todas as regiões brasileiras e dá vida ao pergolado”, diz.

As frutíferas também são indicadas. Entre as escolhas, destaque para os pés de maracujá, uva e kiwi. “Além da função ornamental, proporcionam frutos e um colorido a mais. Porém, para que fiquem saudáveis é essencial conduzir seus ramos e realizar as podas em épocas adequadas”, diz Letícia.

Evite essas plantas

Chegou o momento de riscar algumas opções da lista. A unha-de-gato (Uncaria tomentosa), por exemplo, é uma delas. “A espécie não proporciona o fechamento necessário e é agressiva às estruturas”, afirma Letícia.

A alamanda-roxa (Allamanda blanchetti) e a alamanda-amarela (Allamanda cathartica) não devem ser usadas por serem tóxicas. “A ingestão pode causar problemas digestivos e cardíacos”, alerta a paisagista.

Se a pérgula estiver perto de piscinas e calhas, a dica é não apostar em espécies que perdem as folhas com facilidade. “A lágrima-de-Cristo (Clerodendron thomsonae) é um bom exemplo, pois resulta em problemas de entupimentos e sujeira em excesso”, recomenda.

Consultoria:

Ana Maria Cintra
Tel: (14) 9696-2488/ (11) 3887-9427

Anna Saraceni
Tel: (48) 9615-7700

Letícia Lenz
Tel: (47) 3467-0084/ 9184-0264

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.