Conheça o parque inglês onde a grande atração são as plantas venenosas

Que tal um passeio por um jardim repleto de belas plantas coloridas para admirar suas formas e sentir seus aromas? Se bem que é melhor deixar a última parte de lado e seguir o conselho do guia: “Não toque, nem cheire as plantas, elas podem te matar”. O lugar não faz parte de nenhum filme de suspense, ele existe e chama-se The Poison Garden. O jardim inaugurado em 2005 é umas das atrações do Alnwick Garden, na Inglaterra .

Leia também: Tenha um jardim de pimentas

Poison Garden abriga coleção com mais de cem espécies de várias partes do mundo
Divulgação
Poison Garden abriga coleção com mais de cem espécies de várias partes do mundo
Criado por Helen Percy, a duquesa de Northumberland, o local cercado por grades e muros abriga uma coleção com cerca de cem espécies de várias partes do mundo com propriedades muito especiais: elas podem ser venenosas, alucinógenas ou medicinais. Entre os destaques estão a papoula (Papaver somniferum), a noz-vômica (Strychnos nux-vomica), de onde se extrai a estricnina e princípios ativos para produzir medicamentos contra depressão e a giant hogweed (Heracleum mantegazzianum), cuja seiva pode ocasionar queimaduras de terceiro grau.

As espécies são distribuídas pelos canteiros em forma de labaredas e algumas, como a coca (Erythroxylum coca) e a maconha (Cannabis sativa) expostas em gaiolas, e a visita só pode ser feita com o acompanhamento de guias – que tratam de esclarecer os mitos, os perigos e os usos de cada espécie.

A beladona (Atropa belladonna) que possui uma substância usada até hoje para dilatar a pupila é uma das joias do local. Na antiguidade era utilizada pelas italianas com fins cosméticos, porém o uso pode causar alucinações e levar à morte. Já o acônito (Aconitum napellus), comum em campos e casas da Europa, é extremamente venenosa e já foi empregada em veneno para lobos e cachorros, além de ser utilizado em remédios homeopáticos.

Alguns dos vegetais expostos são bem conhecidos pelos brasileiros, como a mamona (Ricinus communis), que pode destruir os glóbulos vermelhos se ingerida; a trombeta (Brugmansia suaveolens), que causa alucinações e pode ser usada no tratamento de asma; e a dedaleira (Digitalis purpurea), que regula a atividade cardíaca e também pode causar a morte se ingerida.

De acordo com a duquesa, ela decidiu dar vida ao Poison Garden após uma visita ao Jardim Botânico de Pádua, na Itália . O local, criado pela família Medici, possui uma ala de plantas medicinais e venenosas.

A princípio pode ser difícil de acreditar, mas após o passeio fica fácil de entender o objetivo do projeto: educar. Aproximar as pessoas das plantas para resgatar o conhecimento, tão comum em séculos passados, das principais características de cada uma. Pois, dependendo da aplicação, elas podem matar ou salvar vidas. Além disso, é uma forma de abrir o diálogo entre pais e filhos sobre os riscos das drogas.

Jardim de cinema

Inaugurado há cerca de uma década, o Alnwick Garden foi idealizado pela duquesa de Northumberland e concebido pelo paisagista belga Peter Wirtz. A atração fica no norte da Inglaterra (a cerca de 500 km de Londres) e já serviu de locação para filmes como Elizabeth e a saga do bruxo teen mais conhecido da atualidade, Harry Potter. O jardim é composto por dez espaços criados nos arredores do castelo homônimo, entre elas The Grand Cascade, Serpent Garden e o Woodland Walk.

Acompanhe as novidades do iG Casa também pelo Twitter do Delas .

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.