Confira espécies que sofreram mutações genéticas e apresentam cores e formas inusitadas

Imagine andar por um jardim repleto de flores azuis e pretas, se deparar com espécies gigantes e, ao mesmo tempo, tomar cuidado para não pisar em plantas que parecem ter encolhido. A cena, que parecer ter saído de um conto de fada, já poderia muito bem fazer parte da realidade. Criadas em laboratório por engenheiros agrônomos e biólogos, novas espécies ou versões inusitadas das já conhecidas ganham espaço na decoração e nos jardins.

A princípio, as modificações tinham como objetivo garantir o aumento na produção. “Queríamos desenvolver unidades mais duráveis e resistentes a pragas e doenças”, conta Monique Segeren, do laboratório ProClone. Porém, a demanda por novidades fez com que as técnicas fossem aplicadas também à criação de diferentes cores e formatos. “Nos últimos anos, a procura por elementos exóticos tem aumentado, por isso é normal o mercado de flores passar por esse processo”, afirma o engenheiro agrônomo Kiyoshi Takasaka.

Na lista de criações inusitadas há espaço para uma infinidade de espécies que despertam a curiosidade. Uma delas é a rosa azul, que foi desenvolvida pela empresa japonesa Suntory e demorou mais de 18 anos para se tornar realidade. Segundo dados da empresa, os profissionais envolvidos introduziram o gene de outra flor de coloração azulada em uma rosa comum e deram vida ao exemplar batizado como Applause.

Outras opções que atraem olhares são as flores negras, raras na natureza. É o caso do Antúrio Black Queen, lançado pela Terra Viva, que esperou sete anos para comercializá-lo.

Para quem prefere um ar mais descontraído, as empresas holandesas River Flowers e F.J Zandbergen & ZN possuem uma coleção completa de flores arco-íris, na qual cada pétala possui uma tonalidade diferente. Os produtores guardam o segredo de como obtê-las a sete-chaves; a única informação divulgada é que as espécies são colocadas num líquido especial.

Há também as callas coloridas, criadas pelo laboratório ProClone. “Conseguimos chegar a diferentes tons – amarelo, alaranjado e lilás. Além disso, a hibridação gerou plantas mais fáceis de se cultivar”, explica Monique.

E se a ideia é apostar em flores exóticas, os ranúnculos são perfeitos. Existem variações bicolores que formam composições inusitadas, como a mistura de verde com vermelho. “Essas opções despertam o interesse do público, que vive em busca de diferenciais. São excelentes sugestões para compor arranjos e embelezar a casa. Mas cuidado para não pecar pelo exagero e esquecer dos exemplares tão lindos que encontramos facilmente na natureza”, ressalta a engenheira agrônoma e paisagista Renata El-moor.

Como acontece

Há diversas maneiras de se obter novas variações, mas para colher os frutos desse trabalho é preciso ser paciente, já que os resultados demoram a aparecer. “Existem diferentes etapas. Se tudo correr bem, será necessário um período de, pelo menos, quatro anos para observar a criação”, comenta Takasaka.

Entre as técnicas mais usadas, destaque para a mutação por irradiação (exposição das sementes aos raios-gama), indução por vírus (contaminação para gerar anomalias nas plantas), melhoramento por cruzamento de plantas e melhoria das espécies pela alteração do DNA (clones).

Neste caso, a partir do processo de clonagem é possível desenvolver alterações genéticas. “É uma inovação continuada. Em parceria com universidades, conseguimos produzir novos tons e dimensões”, comenta Monique.

Ainda existe uma outra forma que gera polêmica em todas as áreas: a transgenia, técnica que permite a inserção de código genético de ratos em flores, por exemplo. “Muitas pessoas têm dúvidas sobre o assunto, pois não há estudos que comprovem a segurança do método, que pode atrapalhar o equilíbrio natural”, diz Renata.







Serviço:

Fazenda Terra Viva
Rodovia SP 107, km 27 – Santo Antônio da Posse (SP)
Tel.: (19) 3802-9000

Flora Takasaka
Rodovia Bunjiro Nakao, 59,5 – São Roque (SP)
Tel.: (11) 4711-1002

ProClone
Rua dos Girassois, 70 – Holambra (SP)
Tel.: (19) 3802-1787

Suntory

Renata El-moor
Tel.: (61) 3344-4963

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.