Espaço de 800 m² foi sensação na 7ª Garden Fair, em Holambra

O desafio proposto ao paisagista Paulo Perissoto pela organização da 7ª Garden Fair (Feira de Tecnologia em Jardinagem e Paisagismo), realizada nesta semana, em Holambra, se transformou em um dos espaços preferidos dos visitantes.

“Tive de criar um jardim de 800 m² usando apenas espécies enviadas pelos produtores que participariam do evento. Não pude escolher nada”, explica ele. A proposta era promover a criatividade e a interatividade, isto é, fazer com que cada pessoa pudesse fazer parte do jardim, descobrindo-o aos poucos. “O contato com a natureza tem sido cada vez mais desejado”, diz.

Para driblar a dificuldade de criar um espaço sobre o piso frio do pavilhão da Expoflora, Perissoto decidiu plantar as espécies em caixas de madeira. E para não correr o risco de deixar o local monótono, optou por caixas de diferentes tamanhos – todas revestidas com um tecido listrado em tons de rosa. “Essa é uma ideia que pode ser adaptada em varandas cobertas.”

Combinado com as flores, como no canteiro de bromélias e orquídeas, ou em contraste com as folhagens de crótons, heras, dieffenbachias e sansevierias, o tecido trouxe harmonia ao conjunto.

Um dos destaques do cenário foi um grande canteiro de madeira rústica com exemplares de agávias, cactos e suculentas em tamanhos e formatos diferentes.

Um lago com salvíneas – espécie aquática usada em espelhos d´água residenciais – foi circundado por diferentes espécies, como tulipas, strickitas e antúrios.

Sustentabilidade

Perissoto usou uma das soluções mais aclamadas pelos defensores da sustentabilidade, o jardim vertical, que, além da beleza, traz conforto térmico às construções.

O paisagista optou por criar uma parede inteira verde, com samambaias, rendas portuguesas, pacovás, avencas e columeias, além do chifre-de-veado, que trouxe um volume interessante ao conjunto. A outra parede ganhou o colorido de orquídeas e bromélias, que dividiram as atenções com samambaias, ripsalis, avencas e pacovás.

As espécies foram plantadas em módulos cerâmicos que, segundo Perissoto, facilitam a manutenção. “Outra vantagem é poder ter uma quantidade maior de plantas em um espaço menor. Se você mora em um apartamento, por exemplo, pode criar pequenos jardins em cantos diferentes.”

Perissoto também propôs a reutilização de materiais que seriam descartados na natureza, como garrafas de vidro, que ganharam função decorativa. Elas foram preenchidas com água misturada a corantes e penduradas em uma armação de madeira, que também serviu de apoio para plantas aromáticas. “Para criar esse cantinho, me inspirei no Mercado Ver-o-Peso, de Belém.”

Serviço

Paulo Perissoto
Rua João Koch Sobrinho, 232 – Santa Cruz da Conceição (SP)
Tel: (19) 3567-1449


    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.