Exótica e resistente, a espécie tropical dispensa grandes cuidados e deve ser plantada direto no solo

Planta tropical de grande resistência, a helicônia tem mais de duzentas variações
Getty Images
Planta tropical de grande resistência, a helicônia tem mais de duzentas variações
Bico de papagaio, caetê, bananeira-do-brejo, bananeira-ornamental ou apenas papagaio. São muitos os nomes populares pelos quais a helicônia é conhecida.

Planta tropical de beleza exótica e agreste, suas mais de duzentas variações conhecidas - quarenta delas nativas do Brasil – podem ser encontradas desde o México até o estado de Santa Catarina.

Mas é no Nordeste brasileiro que sua presença é mais intensa, o que faz da região um dos maiores pólos de plantio do mundo, ao lado da Índia e de Singapura, na Ásia.

O verão é seu tempo, crescendo vigorosa, Embora floresça o ano todo, é no verão (principalmente de outubro a março) que ela melhor se desenvolve devido às altas temperaturas e a grande umidade no ar.

Na hora de plantá-las, dê preferência ao solo, e não a vasos. “Como elas crescem em touceiras e dão volume ao jardim, prefira colocá-las próximas aos muros e, de preferência, em locais de sol abundante, com alguma possibilidade de sombra ao longo do dia”, diz o paisagista Rodrigo Oliveira .

Uma das espécies ornamentais mais resistentes do planeta, exige poucos cuidados no jardim, como regas normais e cuidados básicos, já que é pouco é atacada por pragas.

A beleza está nas folhas

A beleza das helicônias não está propriamente em suas flores, mas em folhas modificadas para envolver e proteger a flor, que formam gomos exuberantes. Trata-se das brácteas.

“Por isso, o momento de floração é, na verdade, o primeiro sinal de envelhecimento da planta”, explica a florista Alice Satt, criadora dos arranjos da marca Santa Flora .

De fato, o auge da helicônia são seus gomos cerosos, de tons vibrantes, que pendem das hastes longas e eretas. Eles vão do amarelo ao vermelho, em formas variadas que determinam cinco das espécies mais usuais: bihai, wagneriana, rostrata, strictia e psittacorun, todas com incontáveis subdivisões.

Arranjo feito por Luciana Jubram com helicônia stricta, para a Flower Gallery
Divulgação
Arranjo feito por Luciana Jubram com helicônia stricta, para a Flower Gallery
Exuberância pede cautela em arranjos

A extrema durabilidade e adequação à umidade das helicônia fazem dela uma espécie ideal para arranjos, ao lado de outras plantas de corte.

Alice afirma que uma das razões para essa resistência está no seu alto poder de absorção de líquido da planta.

“Helicônias são imponentes, por isso, ideais para grandes arranjos. Prefiro usá-las de maneira minimalista, misturada a espécies de menor presença, em bases neutras e com folhagens. Fica mais leve e adequado”, diz Luciana Jubram, da floricultura Flower Gallery .


    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.