Designers do estúdio Fetiche Design apostam na crítica à indústria para desenvolver linha com peças desgastadas. Você compraria?

Com proposta agressiva, nova coleção da Micasa dispensou serviço de restauração
Divulgação
Com proposta agressiva, nova coleção da Micasa dispensou serviço de restauração
Que tal uma sala de jantar formada por móveis em péssimo estado de conservação, desgastados pelo tempo e marcados pelas pessoas? Esta é a proposta dos designers Paulo Biacchi e Carolina Armellini, do estúdio Fetiche Design, para a nova coleção da loja Micasa, batizada “Conserta-se Móveis – Tratar Aqui”.

Saiba mais: Cadeiras em destaque

Com design agressivo, as 12 peças (10 cadeiras, uma mesa de jantar e uma cadeira de balanço) foram garimpadas em antiquários, caçambas de lixo, bares e casas de cidades do interio, ao longo de seis meses.

Para criar um ambiente provocativo, os profissionais resolveram manter as características originais dos móveis e fazer apenas algumas “intervenções” que garantissem a funcionalidade. “A maioria das peças recebeu apenas uma manta preta de resina de borracha, como forma de remendo”, diz o designer.

A ideia da série limitada, segundo Biacchi, era criticar a indústria moveleira do País. “Fazer um design autêntico é muito difícil no Brasil. Então quisemos refletir sobre a real necessidade de se adquirir móveis novos e sempre bonitos”, afirma o designer. “Para isso, usamos peças quebradas, que já tinham sua história, e as consertamos nós mesmos. Não queríamos restaurar, mas valorizar o passado delas”, diz.

Engana-se, no entanto, quem subestimar o valor do mobiliário “destruído”. Somente a mesa de jantar da nova coleção sairá por R$ 14.076 na loja de Houssein Jarouche.

A característica de protesto usada pelos designers da Fetiche ressalta a divisão tênue entre design e arte. Para Luis Carlos Paschoarelli, professor do curso de design da Unesp, a principal diferença é a existência de planejamento. “Obras de arte podem sofrer intervenções durante sua execução, mas não têm um projeto oficial. Já no design, acontece o oposto, mesmo que seja em uma única peça”, afirma. Sobre a coleção da Fetiche, o professor ressalta o valor simbólico empregado. “A característica principal destas peças não é sua funcionalidade, mas sim a proposta e o status de exclusividade envolvidos”, diz.

Dê sua opinão.

Siga o iG Delas pelo Twitter e assine nossa newsletter para ficar por dentro das novidades.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.