Veja dicas de como conciliar estilos diferentes em apenas uma decoração

Não precisa ter muita idade para perceber o quanto a decoração no Brasil mudou. Na verdade, esse é um fenômeno bastante recente. De supérflua e pontual – segundo o historiador Edward Lucie-Smith em seu livro Furniture: a Concise History (Mobiliário: uma História Concisa) –, com móveis que não se comunicavam entre si, passou a ser harmoniosa e funcional, indo muito além da beleza.

Mas, isso só ocorre graças à mistura de estilos, movimento que chegou aqui, copiado da Europa, há menos de 15 anos e que hoje é um pedido frequente nos escritórios de arquitetura. “As pessoas querem uma quebra no estilo da decoração escolhida, ao contrário do que ocorria antigamente quando tudo era uniforme e engessado”, diz o arquiteto Saulo Szabó, da Szabó e Oliveira Arquitetura.

Parece ser uma tarefa simples inserir uma peça moderna, como a cadeira Vermelha, dos irmãos Campana, em um ambiente totalmente clássico, onde prevalecem formas ornamentadas. Ou então mesclar, em torno de uma mesa de jantar, cadeiras estilo Luis XV e outras feitas em vidro. Mas, não é fácil não. Encontrar a medida certa dessa mistura de estilos é quase um desafio e requer muito conhecimento. Saiba o que é preciso para se sair bem nessa tarefa.

Não deixe de ler: O estilo mutante de Emanuelle Junqueira

Estilo Jovem e mistura de estilos no apartamento projetado pelo escritório de arquitetura Szabó e Oliveira Arquitetura
Divulgação
Estilo Jovem e mistura de estilos no apartamento projetado pelo escritório de arquitetura Szabó e Oliveira Arquitetura
1º - Tenha personalidade
De acordo com Szabó, em primeiro lugar, é preciso ter identidade e personalidade própria para depois decidir os estilos que combinam entre si e as peças que poderão sem utilizadas. “Sair garimpando tudo apenas porque é bonito pode deixar o ambiente poluído”, explica o arquiteto.

O estilo jovem do apartamento criado por Saulo e Fernando foi o ponto de partida do imóvel. Os quadros no chão, imitando uma galeria, ajudaram a dar essa conotação.

A mistura de estilos apareceu na composição da mesa de jantar: a mesa retrô de madeira jacarandá compôs muito bem com as cadeiras contemporâneas em aço inox assinadas pelo designer francês Philippe Starck e com as outras duas assinadas pelo arquiteto Sérgio Rodrigues.

2º - Valorize uma só peça
O exagero e o excesso também são grandes inimigos da mistura de estilos. Isto é comum quando se quer colocar muitos objetos antigos ou de herança de família. “No fim, o ambiente fica muito carregado e não há equilíbrio algum”, afirma a arquiteta Andrea Teixeira. “Um verdadeiro museu.”

Para não errar a mão, segundo a arquiteta, sócia do escritório Andrea Teixeira & Fernanda Negrelli Arquitetura, é preciso valorizar apenas um objeto por ambiente. “Não adianta encher uma sala com um lustre dos anos 50, uma poltrona estilo Luis XV, um sofá modernista e uma minigeladeira retrô. Todas essas peças disputam atenção entre si”, diz Andrea.

3º - Parta do mais simples
Ter como base um ambiente neutro é sempre mais fácil na hora de colocar algum objeto ou móvel que seja de um estilo mais marcante. “Jogar um móvel de linhas retas com cor vibrante ou uma luminária moderna em um quarto simples, clean, é sempre a melhor opção para não errar”, afirma Saulo Szabó.

Ainda segundo o arquiteto, uma das misturas mais difíceis de fazer é a do clássico com o estilo utilizado nos anos 50. “Buscar o passado e trazer memórias para casa é sempre um recurso bem bacana, porém, opte por colocá-lo em um ambiente mais neutro, assim o espaço fica mais harmonioso e valorizado”, diz.

4º - Não tenha medo de errar
De nada adianta apenas querer mudar a casa se o medo de errar é constante. “Pesquise, leia, arrisque. Às vezes, o que achamos que vai ficar horrível, acaba caindo bem na decoração”, aconselha a arquiteta Deborah Roig, que colocou em um mesmo ambiente um móvel chinês antigo com vasos de murano vintage e uma poltrona contemporânea assinada por Claudia Moreira Salles.

“Mas, se ainda estiver insegura, converse com arquitetos e decoradores, eles poderão te dar dicas mais confiáveis do que poderá realmente dar certo”, diz Deborah.


Teste: Que tipo de decoração combina com você?

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.