Região dominada por jovens designers, a Zona Tortona, em Milão, reúne artistas dispostos a quebrar paradigmas

Se o Salão do Móvel de Milão acontece ao longo de seis dias nos imensos galpões de Rho-Pero, na cidade, tudo que há de mais novo em design começa a aparecer bem antes de o evento ser oficialmente aberto. Movimento, em lojas e ateliês de todo tipo, que só termina depois dos mais de 300 mil visitantes voltarem para casa.

Uma das regiões que mais reúne jovens artistas e empresas dispostas a quebrar paradigmas com o uso de novas formas e materiais é a Zona Tortona, que hoje abriga sozinha mais de 100 dos 400 eventos da Semana de Design. Antiga área industrial de Milão, o bairro teve seus galpões invadidos nos últimos anos por designers de todo o mundo com pouco dinheiro, mas cheios de boas ideias.

Caso do designer Paolo Barichella, responsável pela a exposição PicNic, instalada no último andar do Super Studio Piú. Nela, placas solares deram vida a cadeiras, poltronas, mesas e biombos colocados sob placas de grama natural, mostrando que é possível aproveitar qualquer área externa para criar um ambiente mais agradável e sustentável.

O reaproveitamento de materiais e o baixo impacto ambiental das peças também estiveram presentes no trabalho da dupla Stephanie Forsythe e Todd MacAllen, que apresentaram pela marca canadense Molo todo um estande feito de papel. Impacto visual surpreendente para lançar confortáveis poltronas e sofás com o material, que também foi utilizado em uma das peças mais bacanas da segunda coleção do coletivo Moustache, a luminária Vapeur, de Inga Sempre.

Confira na galeria de fotos outras curiosidades, iniciativas e reflexões apresentadas neste ano na Zona Tortona.


    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.