Especialistas dão algumas dicas e revelam o que será tendência no que diz respeitos às cores na decoração

_CSEMBEDTYPE_=inclusion&_PAGENAME_=delas%2FMiGComponente_C%2FConteudoRelacionadoFoto&_cid_=1237508156245&_c_=MiGComponente_C

Vivemos em uma época em que o plural, o diverso e o múltiplo estão em destaque. Inúmeras tendências se sobrepõem abrindo possibilidades para diversos estilos e uma personalização mais real. Dentre as tendências que acontecem e se influenciam, convidamos Edson Coutinho, coordenador de tendências da Tok&Stok, para explicar algumas.

Back to the 80s

O retorno aos anos 1980 com suas cores fortes, formas geométricas e ousadia permanecem como forte tendência. A moda já preconizou isto há várias estações e agora a moda para casa adota o estilo. Ainda veremos roxos e amarelos agitando as casas, garante Coutinho.
Na edição desse ano do livro Colour Futures, a bíblia das tendências de cores para decoração, é possível encontrar muitas confirmações do que foi visto até agora nas semanas de moda, que também ajudam a formar as tendências tonais.

O livro destaca o amarelo em tons sutis, que ganham sofisticação e elegância com nuances como mostarda, bronze e ouro, mesclando criatividade a toques de artesanato refinado. Os roxos também ganham destaque com a neutralidade e sutileza do violeta. Púrpuras e lilases vibrantes desaparecem da paleta. A referência vem das sombras, das cinzas e da poeira.

Toque britânico

Nos meses de inverno cores tradicionais como o verde inglês ou o vermelho escuro vão se renovar em xadrezes e tartans. Há espaço também para temas mais étnicos, a inspiração marroquina é perfeita para as novas varandas e áreas de estar dos apartamentos.

Os vermelhos estão mais suaves e neutralizados com tons de pele, em contraposição às nuances mais fortes e saturadas que estavam em voga nos últimos anos. Existe a adição de tons quentes de café.
Os verdes vêm com bastante força, em alusão a preocupação com a natureza, com muitas tonalidades botânicas.

Para reforçar o meio ambiente, o azul também vem em tons aquosos e turquesa, fortemente influenciados pelo verde. Remete a características tanto de água como de terra. Já os verdes mais frios e calmos se misturam com tons mais fortes inspirados na tecnologia.

De volta ao clássico

A tendência retrô continua trazendo formas e cores para o design deste ano. Cores pastéis como amarelo, azul e rosa ganham destaque em formas modernas fazendo o contraponto entre tradição e design.
O romântico e o barroco também são revisitados, trazendo flores diversas e muitos rococós. Segundo Edson, esses temas nunca saem da moda casa. Para o primeiro, tons de lavanda, cidreira e rosas, e para o segundo, brilhos metalizados, ouro, prata, e muito preto, diz.

Os tons variados de cinza chegam para se casar com a volta do concreto e do cimento queimado na arquitetura de interiores. O cinza claro, concreto, chumbo e suas versões metalizadas irão substituir aos pouco o oceano de beges que vimos nos últimos anos, garante o coordenador da Tok&Stok.

Os neutros seguem com menos contraste, retornando aos tons básicos como barro, linho cru, cascas e galhos de árvores, além de madeira. Outra novidade é o aspecto assombreado, com efeitos estratificados influenciados pelo branco. Os tons são bem sutis, permitindo várias combinações com cores de outras paletas.

Unindo-se a essa tendência, o laranja vem em tons terrosos, que remetem ao orgânico, mas com influência de metais batidos e trabalhados artesanalmente. Há também um movimento em direção ao tom coral, que permanece quente e reconfortante.

Abrindo as portas

Edson lembra que a moda da casa também se vale da máxima um bom acessório ou um belo sapato mudam qualquer visual. Para ele, na casa, almofadas, cortinas e tapetes fazem o vestir da casa e podem facilmente ser trocados para montar um novo visual. Outra opção é a decoração de paredes que vão fazer pano de fundo para estes novos temas. A febre dos adesivos vinílicos continuam e o retorno do papel de parede estampado se consolida em 2009, diz.

Segundo ele, o ideal é misturar essas tendências a outras preferências do morador. Casa é personalização. Por isso, é difícil dizer que algum tom não pode ser usado. Tudo depende de quem vai habitar o espaço. Ele alerta ainda para o uso cores como telha, salmão e goiaba. Elas perdem força na decoração para tons mais frescos ou com mais personalidade, diz.

Edson explica que as paredes estão mais livres nesse ano. Qualquer tom é possível. O importante e elaborar uma cartela para o ambiente e ficar dentro destes parâmetros, explica. Uma cor forte na parede pode pedir um tom mais ameno para outro grande volume como o sofá ou a colcha da cama, mas nada impede de se ter uma parede roxa e um sofá laranja. O importante é ter coerência com o resto do projeto, finaliza o coordenador de tendências.


Leia mais sobre: tendências em decoração

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.