Peças de design arrojado aliam conforto a conceitos de sustentabilidade

A escassez de recursos naturais desperta a consciência ambiental e a necessidade de se trabalhar com matérias-primas alternativas também no mobiliário. Acabamentos de baixo impacto no meio ambiente, manejos sustentáveis de florestas e o uso de madeiras de reflorestamento e de demolição são caminhos cada vez mais viáveis e necessários.



No Brasil, a busca de soluções alternativas para poupar recursos é ainda mais emergencial, já que o país tem vocação natural para o uso da madeira, dada a abundância de matas nativas, a variedade de espécies que nelas florescem e nossa tradição artesanal.

Para muitos, tamanho potencial é um perigoso sinal verde ao desmatamento. Para outros, porém, é a prova cabal de que sabendo usar não há de faltar. Afinal, a madeira é matéria-prima renovável e facilmente reabsorvida pela natureza, ajudando, assim, a preservação ambiental.

Entre os defensores do uso racional e atento da madeira estão Fernando Mendes de Almeida e Roberto Hirth, designers que assinam as criações da Mendes & Hirth Marcenaria, uma das estrelas do design contemporâneo.

Assim como muitos nomes do nosso design, a dupla aposta no uso correto da madeira, de preferência aquelas oriundas de processos produtivos ecológicos, socialmente justos e economicamente viáveis.
Virtudes atestadas pelo selo do FSC (Forest Stewardship Council ou Conselho de Manejo Florestal), certificação que garante o controle ambiental na produção e um maior valor agregado às peças, algo cada vez mais valorizado por atacadistas, varejistas, consumidor final e exportadores.

Muito além da certificação

Na falta do selo de certificação, referendo que implica processos trabalhosos e muitas vezes onerosos às empresas, principalmente aos pequenos ateliês de design, a madeira de reflorestamento é uma opção recorrente entre os fabricantes de móveis de todos os portes.

Apesar de cultivada em áreas já desmatadas, até os críticos mais veementes do método, muitas vezes gerador de degradação ambiental, admitem que é melhor usar tal material do que comprar madeira sem comprovação de procedência ou aquelas retiradas indiscriminadamente de matas nativas.

Aceitação melhor ainda recai sobre as chamadas madeiras de demolição, que são matérias-primas de qualidade, resgatadas das estruturas de antigos edifícios em reforma ou mesmo em processo de derrubada.

Carlos Motta, por exemplo, resgata com o material, o antigo vigor de madeiras nobres. Além disso, utiliza acabamentos que minimizam o desperdício de energia (com serras e outras máquinas), bem como o uso de colas, seladoras e outros produtos químicos, geralmente, poluentes.

Outra escola festejada pelo design sustentável é a brutalista, que tem como símbolo o designer Hugo França. Ele inverte o processo de criação ao definir as formas do móvel a partir de sobras de madeira abandonadas pela floresta ou mesmo o descarte da natureza.

Ecodesign começa na concepção da peça

Para o designer Ricardo Barddal, a madeira de manejo é a forma mais eficaz de diminuir a pressão sobre as reservas florestais. Mas sustentabilidade deve ir além da matéria-prima e passar por uma mudança de atitude da sociedade de consumo.

Existe para Barddal uma preocupação excessiva com as conseqüências da deterioração ambiental, mas não com as causas. Para combatê-las, seria preciso mudar as prioridades da economia mundial, consumir menos e ansiar por um crescimento também menor.

Enquanto essa radical mudança de valores não acontece, o uso de materiais menos poluentes e de madeiras sustentáveis são grandes passos para a busca de um equilíbrio ainda distante.

E isso tem de começar na prancheta do designer, de onde devem sair produtos concebidos para longevidade ou, após findar sua vida útil, para uma rápida absorção pela natureza. Uma preocupação que tem permeado o trabalho de renomados designers nacionais.

Aliada à nossa reconhecida criatividade, essa postura consciente dos designers brasileiros faz hoje, do país, um laboratório para o ecodesign, oferecendo soluções que têm despertado a simpatia, o interesse e a curiosidade de todo o mundo.





Serviços:

A Lot Of.
(11) 3068-8891

Atelier Carlos Motta
(11) 3032 4127

Espaço 204.
(11) 5102 3468

Hugo França
(11) 3045 6575

Julia Krantz Movelaria
(11) 3865 7724

Llussá Marcenaria
(11) 3031 1300

Ricardo Bardall
(48) 9619-9223,
etherea@terra.com.br

Mendes-Hirth Marcenaria
(21) 2548 8838

Tok & Stok
0800 70 10 161

Tora Brasil
(11) 3068 8880

Zanini de Zanine
(21) 2508 6083

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.