Mostra de decoração fica em cartaz até 13 de outubro

O estilo neoclássico do Palacete Modesto Leal, construído em 1883, no Rio de Janeiro, ganhou toques de contemporaneidade com a intervenção dos 85 arquitetos, decoradores e paisagistas participantes da 20ª Casa Cor Rio de Janeiro, que neste ano invadiu o espaço pela primeira vez.

Assinado por Marcia Müller, o Lounge Garden, localizado na parte da frente do palacete, foi inspirado na informalidade sofisticada que caracteriza o Rio
Divulgação
Assinado por Marcia Müller, o Lounge Garden, localizado na parte da frente do palacete, foi inspirado na informalidade sofisticada que caracteriza o Rio

As linhas modernas inspiradas nos arquitetos Oscar Niemeyer e Lúcio Costa – este último, homenageado da edição deste ano –, as cores fortes dos tapetes, papéis de parede, almofadas e futons, as hortas caseiras e a automação residencial deram nova cara a esta que é uma das últimas chácaras urbanas da capital fluminense, com áreas intocadas de Mata Atlântica.





Malas, penteadeiras, fotos e baús antigos foram associados a peças de alguns dos designers de maior renome da atualidade, como o inglês Tom Dixon e os brasileiros Fernando Jaeger, Paulo Alves, Luis Suzuki, Sérgio Rodrigues e Luciana Martins. O contraste entre o velho e o novo também é evidenciado pelas soluções de iluminação que valorizam o pé-direito alto, as grandes janelas e os pisos de parquet.

Segundo Patrícia Mayer, que ao lado de Patrícia Quentel organiza a Casa Cor Rio de Janeiro desde a primeira edição, há 20 anos, “o mais interessante da mostra é perceber como os profissionais souberam se apropriar da riqueza arquitetônica do palacete, tombado pelo Instituto Estadual do Patrimônio Cultural (Inepac)”.

Tudo azul

Espaço Multiuso, a Varanda do Casal foi criada por Adriana Valle e Patricia Carvalho
Celso Pupo/Fotoarena
Espaço Multiuso, a Varanda do Casal foi criada por Adriana Valle e Patricia Carvalho

O azul continua em alta e aparece na Varanda do Casal – de Adriana Valle e Patricia Carvalho – de forma suave e em harmonia com o branco e a madeira. Tecidos resistentes à maresia revestem sofás, pufes e poltronas – todos com detalhes na cor que dá o tom do espaço.

Os três tapetes foram personalizados pelas idealizadoras do ambiente. “Essa é uma tendência que podemos destacar. Os tapetes estão com tudo e a personalização é uma realidade. Combinados a outros ou não, eles têm desenhos cada vez mais exclusivos”, afirma Patrícia Mayer.

Adriana Valle conta que tentou aproveitar os elementos originais da casa, fazendo a menor intervenção possível em sua fachada. Em uma das paredes laterais, janelas de vidro fazem as vezes de nicho para abrigar objetos decorativos, trazendo a mata nativa para dentro do ambiente, que também conta com um jardim vertical composto por samambaias e orquídeas.

Galeria de arte particular

As telas pintadas por Duke Capellão inspiraram as estampas do tapete que dá unidade à Galeria da Casa Cor Rio de Janeiro
Celso Pupo/Fotoarena
As telas pintadas por Duke Capellão inspiraram as estampas do tapete que dá unidade à Galeria da Casa Cor Rio de Janeiro

Foi pensando em um casal apaixonado pela arte popular brasileira que os arquitetos Paula Neder e Alexandre Monteiro criaram a Galeria da mostra. Além das obras, fruto de uma parceria com o Sebrae-RJ, chamam atenção a poltrona Mole, de Sérgio Rodrigues, e a criação do arquiteto Duke Capellão, filho de Paula. Inspirado nas telas abstratas que pinta, ele desenvolveu a estampa do tapete que cobre todo o ambiente.

Horta em casa

No Apartamento do Chef, projeto de Bernardo Schor e Rogério Antunes, outra tendência é percebida. A natureza migrou para dentro de casa e os temperos são plantados até mesmo no banheiro.

A comida é peça-chave na decoração do Apartamento do Chef, de Bernardo Schor e Rogério Antunes
Celso Pupo/Fotoarena
A comida é peça-chave na decoração do Apartamento do Chef, de Bernardo Schor e Rogério Antunes
A comida é a protagonista da decoração e aparece ainda nos vasos de vidro que acomodam grãos variados, na estante de livros de gastronomia e no ovo amarelo gigante, escultura colocada em uma prateleira próxima ao teto. O ambiente é uma homenagem a Thomas Troisgros, que seguiu os passos do pai, Claude, homenageado na Casa Cor São Paulo também em 2010.

Sem separação clara entre quarto, cozinha, bar e banheiro, a quitinete de luxo tem bancada em formato de onda, que dá unidade ao espaço.

Serviço

Casa Cor Rio de Janeiro
Local: Palacete Modesto Leal
Rua das Laranjeiras, 304 – Rio de Janeiro (RJ)
Tel: (21) 3598-6220
Data: de 3 de setembro a 13 de outubro de 2010
Visitação: de terça a sábado, das 12h às 22h; domingos, das 10h às 20h
Ingresso: de terça a sexta, R$ 30,00; sábados, domingos e feriados, R$ 35,00 (estudantes e maiores de 60 anos pagam meia entrada)









    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.