As cortinas de tecido podem trazem mais charme e volume aos ambientes, dependendo do acabamento. Conheça os principais

O efeito trazido pelo acabamento com pregas deixa qualquer cortina mais elegante. E não importa se ela está presa a trilhos ou argolas, já que as pregas se adaptam e mostram beleza. Por isso, fomos atrás de especialistas e indicamos onde (e como) usar os mais diferentes tipos de modelos. Confira:

Leia ainda:  Dossiê cortina - entenda tudo sobre o assunto

- Prega macho: ideal para quem quer ter uma cortina bem volumosa. É feito com duas dobras unidas em sentido oposto no cós da cortina, o que traz o tecido para frente e ganha mais imponência. Lembre-se, no entanto, de que é preciso dosar a quantidade de tecido. O mais indicado é franzir até duas vezes e meia o tamanho do pano a cada dois metros de largura.

- Prega fêmea:  também é formada por duas dobras, em sentidos opostos, mas neste estilo elas se encontram no lado da frente do tecido. O modelo é bastante popular nas salas de estilos clássicos , pois o caimento é mais reto e comportado.

- Prega americana: mais clássica, possui dobras triplas no arremate superior da cortina, deixando o franzido virado para o alto e com um aspecto volumoso mais reto.

- Prega paulista: as dobras ficam intercaladas nos dois sentidos e produzem um efeito maior de ondulação. O volume é evidente na parte superior da cortina e o restante do tecido fica mais liso.

Saiba mais:

Persianas: conheça os principais modelos

Arquitetura da felicidade: como uma casa se torna um lar

Salas de jantar para inspirar a decoração

    Leia tudo sobre: casa
    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.