Prédios na região da Mooca têm cotas mais baixas, enquanto Jardins apresenta valor médio mais salgado

_CSEMBEDTYPE_=inclusion&_PAGENAME_=delas%2FMiGComponente_C%2FConteudoRelacionadoFoto&_cid_=1237508151007&_c_=MiGComponente_C

O valor médio dos condomínios varia até 77,4% entre os principais bairros de São Paulo. É o que aponta levantamento da Lello, empresa de administração condominial, com base em 1,1 mil empreendimentos da capital paulista. A cota média da cidade ficou em R$ 561,07.

Para esse estudo a administradora dividiu a cidade em oito grandes regiões, que englobam bairros próximos. Os prédios da região da Mooca têm o valor médio de condomínio mais baixo, de R$ 418,78. Já na área dos Jardins a cota média é de R$ 742,99.

O segundo condomínio mais caro fica na região do Morumbi, com valor médio de R$ 705,21 na cota mensal paga pelos moradores. Em seguida vêm os empreendimentos residenciais de Moema, com valor médio de R$ 656,10.

Na região de Perdizes o condomínio fica em torno de R$ 555,57, e no Tatuapé, R$ 490,32. Já na área de Santana o valor médio pago por quem mora em apartamentos é de R$ 474,71, e na Vila Mariana, que têm o segundo condomínio mais baixo de São Paulo, o custo mensal é de R$ 444,90.

"Jardins e Morumbi são regiões em que há muitos empreendimentos com poucos apartamentos e muitos serviços, o que demanda maior número de funcionários e mais gastos com manutenção.", diz Angélica Arbex, gerente de Marketing da Lello Condomínios.

A administradora também levantou os valores médios do condomínio no Grande ABC, que ficou em R$ 533,38, e no Guarujá, que é de R$ 474,70.


Leia mais sobre: condomínio

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.