Finalista do concurso para a construção de centro de entretenimento na Holanda, a arquiteta iraquiana surpreende com seus traços

Acostumados a ultrapassar os limites da arquitetura e do urbanismo e utilizar tecnologia de ponta em suas obras, a arquiteta iraquiana Zaha Hadid é uma das três finalistas do concurso promovido pela prefeitura da cidade de Haia, na Holanda, para a construção do novo Centro de Dança e Música do país.


O prédio de 40 mil m², que lembra uma pilha de papéis sendo folheados, possui fachada aberta, como se fossem brizes horizontais que se sobrepõem em curvas desalinhadas, e telhado levemente curvo. A sensação de movimento do bloco de concreto é intensificada com a incidência de raios solares, que criam ondas de luz e sombra na construção.

Na área interna, as estruturas onduladas e de diferentes densidades também continuam, criando escadas, rampas e paredes que fazem o público se conectar e interagir com o desenho do prédio tanto nos halls quanto nas salas de conserto.

No térreo, uma praça com as mesmas características faz a ligação entre a rua e o centro do edifício que abrigará o Conservatório de Música Real, o Teatro de Dança da Holanda e a orquestra local. Rampas e escadas não-lineares ainda permitem transformar o espaço em um anfiteatro ao ar livre.

O concurso

Além de Zaha Hadid, outros 15 escritórios de arquitetura participaram do concurso. Entre os finalistas também estão os holandeses RAU, de Amsterdã, e Neutelings Riedijk Architecten, de Rotterdam.


O resultado do concurso será publicado em novembro de 2010. A decisão será tomada por uma comissão julgadora, mas o público também poderá votar pela internet em seus projetos favoritos.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.