Modelo segue tendência gourmet e valoriza o espaço de convivência, além de integrar ambientes

Presença garantida nos Estados Unidos desde 1920, a bancada central conhecida como “ilha” vem se tornando cada vez mais presente nos lares brasileiros. Considerada um recurso da arquitetura moderna, ela muda a percepção de que a cozinha é apenas um lugar voltado à preparação de alimentos. “Este modelo faz parte da tendência gourmet , que transforma o local em um espaço de convivência e faz de quem cozinha o centro das atenções”, afirma Eduardo Machado Rodrigues, arquiteto e coordenador do curso de design de interiores da Escola Panamericana.

Para ampliar o espaço da cozinha, o arquiteto Toninho Noronha inseriu cooktop, forno e coifa na ilha
Divulgação
Para ampliar o espaço da cozinha, o arquiteto Toninho Noronha inseriu cooktop, forno e coifa na ilha
No Brasil, a necessidade de integrar ambientes, otimizar espaços e deixar quem cozinha à vontade para trabalhar e receber amigos foram essenciais para o aumento da procura. “Na década de 50 as cozinhas brasileiras eram mais periféricas e tinham o meio livre. Em um processo de evolução, a sala de almoço virou copa e a cozinha encolheu, porém ganhou articulação”, afirma Rodrigues.

Modelo aumenta a articulação do espaço e deixa o trabalho mais dinâmico
Divulgação
Modelo aumenta a articulação do espaço e deixa o trabalho mais dinâmico
Tamanho dinamismo fica ainda mais evidente quando fogões, pias e até mesas de apoio são incluídos no projeto. Mas a vantagem de preparar a comida e interagir com os amigos têm um preço. Como as instalações de gás e energia devem ser colocadas sob o piso, será necessário preparar a estrutura do local , muitas vezes comprar novos equipamentos e escolher o tamanho adequado da bancada para não atrapalhar a circulação no ambiente. “A ilha deixa o trabalho na cozinha mais dinâmico, pois os armários e a pia ficam em volta. Por isso, quanto mais equipamentos o espaço tiver, mais indicado será o modelo”, diz Jéthero Miranda, coordenador do curso de design de interiores da Escola Belas Artes.

Para todos os tamanhos

Engana-se quem imagina que as ilhas não se adaptam em ambientes pequenos . Para atender às necessidades de uma jovem empresária, o arquiteto Toninho Noronha integrou a ilha à bancada da pia, em uma cozinha de apenas 6 m². “Se colocássemos bancadas apenas ao redor das paredes, teríamos um grande "L". Ao usar o recurso, ganhamos quase dois metros de bancada, e, com isso, mais espaço para equipamentos e armários”, afirma.

Já na cozinha projetada pela arquiteta Mari Ani Oglouyan a preocupação foi integrar o ambiente à sala de jantar. Para atender às expectativas de uma família com três filhos, Mari apostou na ilha de Corian branco com mesa de madeira. “Eles pensavam no modelo como uma saída rápida para que seus convidados pudessem comer aperitivos, além de servir de apoio à pia. Então, fiz duas bancadas com alturas diferentes”, diz a arquiteta. “Além disso, para não deixar toda a decoração branca, com aspecto frio, usei detalhes vermelhos”, afirma.

Integrada à sala de jantar, cozinha da arquiteta Mari possui ilha com bancada de madeira para aumentar o conforto e aquecer o ambiente
Divulgação
Integrada à sala de jantar, cozinha da arquiteta Mari possui ilha com bancada de madeira para aumentar o conforto e aquecer o ambiente
Na ilha de 3,4 m² a arquiteta incluiu pia, fogão elétrico e uma coifa, garantindo a exaustão. Bem iluminado, o espaço recebeu seis luminárias embutidas – o que deixou o ambiente mais quente por sua cor amarelada – e outras três pendentes na área de refeição para que os alimentos ficassem mais visíveis.

Manter a cozinha e em especial a área ao redor da ilha bem iluminados foi também um dos objetivos da arquiteta Fernanda Pessoa. Ao buscar um toque industrial para o ambiente, ela valorizou linhas retas e superfícies lisas, em uma combinação de vidros pretos, aço e madeira. Na ilha, inseriu um rangetop estendido até a mesa da copa e apostou em banquetas de acrílico transparente para finalizar o charmoso projeto.

Fernanda seguiu a tendência Gourmet e projetou uma ilha com toque industrial, valorizando linhas retas e superfícies lisas
Divulgação
Fernanda seguiu a tendência Gourmet e projetou uma ilha com toque industrial, valorizando linhas retas e superfícies lisas

Acompanhe as novidades do iG Casa também pelo Twitter do Delas .

Serviço:

Fernanda Pessoa
Telefone: (21) 2259-2065

Mari Ani Oglouyan
Telefone: (11) 3877-0466

Toninho Noronha
Rua Pedroso Alvarenga, 755 - cj. 31 - Itaim Bibi, São Paulo (SP)
Telefone: (11) 3074-1787

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.