Saiba como decorar um loft e aproveite um estilo de morar que privilegia os espaços abertos e integrados

O projeto assinado pela arquiteta Fernanda Marques é composto por cores neutras e características típicas de um loft: tijolinhos e tubulações aparentes
Divulgação
O projeto assinado pela arquiteta Fernanda Marques é composto por cores neutras e características típicas de um loft: tijolinhos e tubulações aparentes
O bairro nova-iorquino SoHo foi o cenário para o surgimento de um verdadeiro estilo de morar: os lofts. Nos anos 1970, diversos artistas foram para o local em busca de um custo de vida mais acessível e passaram a viver em antigos galpões. Não havia paredes para delimitar os espaços, nem muitos adornos para enfeitá-los. O conceito agradou os descolados da época e atravessou gerações.

Há quem diga que os primeiros traços que deram vida a um loft saíram da prancheta do arquiteto francês Le Corbusier. Ainda na década de 1920 ele criou apartamentos amplos, com pé-direito duplo e muita l uz natural .

Segundo Adriana Monzillo, docente das disciplinas de projeto e arquitetura de interiores da Fundação Armando Álvares Penteado (Faap), o conceito foi reproduzido nos anos 1930, nos subúrbios de Manhattan. Mas foi apenas em 1970 que morar em lofts virou moda e, a partir daí, não ficou conhecido apenas como um local para morar, mas sim como um estilo de viver.

A ausência de paredes foi fundamental para o desenvolvimento do projeto de decoração. As peças escolhidas dão leveza e delimitam os ambientes
Divulgação
A ausência de paredes foi fundamental para o desenvolvimento do projeto de decoração. As peças escolhidas dão leveza e delimitam os ambientes

Atualmente, diversos empreendimentos investem nessa ideia e apresentam imóveis amplos com ambientes integrados. Há também pessoas que preferem manter a construção original e reaproveitam antigas instalações de indústrias ou comércio. Nos dois casos, um aspecto comum: é preciso caprichar na decoração, pois todos os detalhes estarão à vista .

Aproveite o espaço aberto

Como não há divisórias, o mais recomendado é usar móveis e cores para delimitar os ambientes . “É importante manter a organização e praticidade nos espaços para não deixar a bagunça tomar conta”, sugere o designer de interiores Leonardo de Magalhães.

A próxima tarefa para garantir charme de sobra é deixar a criatividade tomar conta. “Não há regras. Vale misturar estilos, compor detalhes que roubam a cena. Uma mesa contemporânea, por exemplo, ficaria perfeita se recebesse a companhia de cadeiras clássicas”, explica. Só não peque pelo excesso.

Móveis com dupla função também são indicados. “Eles ajudam a aproveitar a metragem disponível e apresentam soluções inteligentes”, diz a arquiteta Marina Conde. Aposte também em modelos planejados . “Dessa forma, conseguimos incorporá-los aos ambientes com maior facilidade”, completa.

No projeto da arquiteta Marina Conde funcionalidade é o que não falta. Ela usou móveis estratégicos, como o sofá da sala e a bancada da cozinha, para delimitar os espaços
Divulgação
No projeto da arquiteta Marina Conde funcionalidade é o que não falta. Ela usou móveis estratégicos, como o sofá da sala e a bancada da cozinha, para delimitar os espaços

Boas opções para deixar o projeto ainda mais especial são aparadores, biombos, mesas com características retrô e quadros apoiados nas paredes.

“Mas evite comprar muitos itens. O ideal é apostar em um projeto com poucos móveis, apenas o necessário para o dia a dia, e alguns itens decorativos para dar vida ao local”, diz a arquiteta Andréa Parreira. Também é importante prestar atenção para não deixar o conforto do morador de lado. “É fundamental saber integrar os espaços sem perder a privacidade”, afirma.

Marcas registradas

Os materiais de acabamento também dão aquela mãozinha no momento de dar vida a um loft. Os campeões de pedidos são os tijolinhos à vista. “Ficam lindos naturais ou pintados de branco e nos remetem aos galpões de antigamente”, afirma Magalhães.

Porém, é preciso cuidado para mantê-los em ordem. “É importante aplicar uma resina para impermeabilizar e limpar frequentemente com pano úmido”, recomenda Marina.

Na listinha de possibilidades ainda há espaço para o colorido dos ladrilhos hidráulicos, o charme do concreto aparente e para a simplicidade da madeira de demolição .

Em muitos casos, as tubulações elétrica, de ar-condicionado e hidráulica ficam aparentes, característica típica dos modelos nova-iorquinos. Outro elemento onipresente é o pé-direito duplo. “Sua função é valorizar o imóvel e conferir aquela sensação de amplitude”, diz Andréa.

O que evitar

Cores sóbreas convivem em harmonia com tonalidades vibrantes. Exemplos disso são as luminárias vermelhas da cozinha
Divulgação
Cores sóbreas convivem em harmonia com tonalidades vibrantes. Exemplos disso são as luminárias vermelhas da cozinha

É fundamental tomar alguns cuidados básicos para não perder as características originais de um loft. “Não use materiais diferentes para revestir o piso de cada área e nem pense em colocar divisórias para criar áreas isoladas porque estaria mudando a proposta completamente”, afirma Magalhães.

As cores que irão compor o projeto têm papel fundamental e devem ser escolhidas com atenção. “Como os ambientes são integrados, evite optar por muitas tonalidades. Diga não ao exagero.”


Serviço:
Andréa Parreira
Rua Porto Martins, 70 – São Paulo (SP)
Tel: (11) 5505-1843

Fernanda Marques
Rua Ramos Batista, 198 – São Paulo (SP)
Tel: (11) 3848-3464

Leonardo de Magalhães
Tel: (21) 9955-2552/2432-0610

Marina Conde
Rua Tabapuã, 888 - São Paulo (SP)
Tel: (11) 3078-5648

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.