Móveis funcionais e ambientes integrados são as apostas dos arquitetos para valorizar o espaço

Aproveitar cada centímetro do apartamento de 38 m², originalmente sem paredes internas – com exceção do banheiro –, e, de quebra, deixá-lo superconfortável, foi o desafio proposto aos arquitetos Fernando Forte, Lourenço Gimenes e Marcondes Ferraz, do escritório FGMF . O ponto de partida foi a definição da disposição dos cômodos. O quarto ficou, naturalmente, ao lado do banheiro , separado dos demais cômodos apenas por uma cortina.

Na linha do toilette, ficou a varanda , liberando espaço para a sala e a cozinha na área interna. Outros aliados na busca por amplitude foram os revestimentos . Escolher o mesmo tipo – no caso do piso , um porcelanato Portobello - para a casa inteira ofereceu sensação de continuidade.

A iluminação também contribuiu, com pontos de luz nos lugares corretos. “Um bom projeto luminotécnico é fundamental”, ressalta Forte. Conduítes aparentes e lâmpadas tipo balão valorizam o forro de concreto. Em alguns espaços, os pendentes foram afixados diretamente nas caixinhas do sistema elétrico. “Destaque para o modelo da sala de jantar (Lumini) e o da cabeceira da cama, assinado pelo arquiteto Alvar Aalto”, aponta o arquiteto.

Flexibilidade no mobiliário

Mesmo com a metragem reduzida , a cozinha oferece o espaço necessário para testar novas receitas com conforto. A bancada de aço inox ajuda no preparo das refeições e fica entre os armários azuis (Brinna). Um tampo feito com o mesmo material se transformou em mesa de jantar e divide espaço com as cadeiras do designer Verner Panton (Marka Móveis), delimitando o ambiente.

Na sala , destaque para a estante composta por módulos desenhados pelos profissionais do escritório, onde foi posicionada a TV. Estrategicamente bem no centro da casa, ela pode ser vista de todos os ambientes, o que dispensa a necessidade de ter outros aparelhos, liberando alguns centímetros preciosos. O sofá, feito com concreto e futons coloridos, ajuda a separar as áreas sociais e íntima. “Constatamos que deveríamos pensar em um mobiliário flexível. Assim, o morador pode adaptar o imóvel à sua maneira”, afirma Forte.

Quando chegamos ao quarto, é quase impossível perceber que há um armário embutido por ali. A porta de vidro espelhado trata de camuflá-lo e ainda reflete os outros itens presentes no local. “Esse mix de materiais e a ausência de paredes faz do estúdio um grande projeto, com o conforto necessário e sem aperto”, comemora.

Leia mais sobre aproveitamento de espaços em apartamentos pequenos

Serviço:

FGMF
Rua Mourato Coelho, 923 – São Paulo (SP)
Tel: (11) 3032-2826

Brinna

Lumini
Alameda Gabriel Monteiro da Silva, 1441 – São Paulo (SP)
Tel: (11) 3898-0222

Marka Móveis
Tel: (11) 3621-6298

Portobello

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.