Natural ou sintético, o revestimento volta com tudo na decoração e ajuda a aquecer a casa no inverno

selo

O inverno promete um retorno total à natureza. Além da rusticidade da madeira, outro material em alta na decoração é o couro, seja ele natural – de boi, peixe, avestruz ou jacaré – ou sintético. Sem limites para ser utilizado, ele aparece como revestimento de paredes e móveis, em detalhes decorativos, tapetes e até mesmo como colcha.

O couro está por toda parte, nas paredes do home theater de Debora Aguiar para a Casa Cor
David Santos Jr / Foto Arena
O couro está por toda parte, nas paredes do home theater de Debora Aguiar para a Casa Cor
Quem apostou pesado na tendência foi a arquiteta Débora Aguiar, em sua Casa do Mirante, criada na Casa Cor 2010. “A utilização do couro permite criar uma atmosfera acolhedora e sofisticada, porque é um material nobre”, diz Débora. Ali, há sofás, mesas de centro, paredes e armários revestidos com couro de boi e uma estante recoberta por couro de porco tratado - que surpreende pela maciez semelhante à camurça. “Além de tudo, o couro liso permite melhor absorção dos ruídos, e deixa o ambiente melhor preparado para o uso do home-theater”, completa.

O arquiteto Moreno recorreu à camurça que imita couro de crocodilo para trazer rusticidade à Suíte do Jovem Atleta. “Quis dar uma idéia de gruta, um clima mais árido, o que é distante dos projetos que eu faço normalmente”, revela. O quarto, que homenageia o skatista Sandro Dias, o Mineirinho, tem diferentes apelos naturais: banco e banheira de madeira, tapete feito com lã e couro de ovelha, escrivaninha e parede revestidos com camurça estampada de croco e colcha de couro.

Clássico remodelado

Maria Antonia Queiroga Penteado, que criou o Living do Fotógrafo, também usou o material, mas de maneira mais clássica. Mas nem por isso, menos criativa. A escolha dos materiais foi feita em conjunto com o homenageado, o fotógrafo Marcio Scavone. “Ele expôs sua preferência por materiais naturais, rústicos e desgastados, como é o caso do couro estonado da poltrona e da banqueta da Pérola Negra”, afirma a arquiteta, que ainda inovou ao mesclar o couro com linho preto para revestir as paredes. Assim, o living ganhou ar masculino, sem pesar.

“O uso do couro fica muito elegante, mas como em qualquer situação tem que ter bom senso. Quando ele aparece em sofás, as poltronas e banquetas pedem tapeçaria para gerar o contraste necessário para uma gostosa harmonização”, indica a arquiteta.


    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.