Investimento em conforto, modernização e praticidade no lar é reflexo da crescente presença da mulher no mercado de trabalho

Mais trabalho é igual a mais conforto e praticidade em casa. Essa é a equação que melhor traduz o que ocorre hoje nos lares brasileiros, refletindo diretamente o aumento da participação da mulher no mercado de trabalho. Segundo dados do IBGE, em 2010 elas ocupavam 45,3% dos postos em todo o Brasil, sendo que em aproximadamente 35% dos casos elas também são chefe da família.

David Santos Jr/ Fotoarena
Conforto, lazer e modernidade são os principais investimentos na casa
Isso significa que, com menos tempo para ficar em casa e mais dinheiro no bolso, a mulher começou a se permitir ter algumas facilidades e prazeres em seu tempo livre com a família. “Ela não quer perder mais de 15 minutos para cozinhar ou lavar a roupa. Quer praticidade para poder aproveitar melhor seu espaço e os filhos”, afirma Fátima Merlin, diretora de varejo da consultoria Kantar Worldpanel. Esses sentimentos de merecimento e compensação refletiram, nos últimos anos, no crescimento da percentagem de compra de lavadoras de roupas, secadoras automáticas e micro-ondas, bem como produtos de limpeza e alimentos prontos – tais como sucos, molhos, temperos e pratos.

“Na classe C, por exemplo, a presença de micro-ondas subiu 10 pontos percentuais de 2008 para 2009. Já na comparação entre 2009 e 2010, a variação na compra de detergente líquido foi de 79,6%, enquanto na de sucos prontos foi de 26,7%”, completa a executiva, lembrando que a mulher é, em quase 90% dos lares, a grande responsável pela decisão de compra de itens de supermercado e eletrodomésticos.

Banheiro-spa e cozinha gourmet

Mas não é só nesses segmentos que o desejo feminino prevalece. É ela também quem vem incentivando a família a se divertir por mais tempo dentro de casa, inclusive com a presença de amigos. Reflexo do aumento da violência, da lei seca e da necessidade de fortalecer vínculos e retomar o contato não-virtual com amigos – para contrabalancear a maciça utilização das redes sociais.

Dias longos no trabalho estimularam a reforma na casa de Alessandra Oliveira
David Santos Jr/ Fotoarena
Dias longos no trabalho estimularam a reforma na casa de Alessandra Oliveira

A tendência estimulou a modernização e readequação dos espaços residenciais e a busca por profissionais especializados no assunto, como arquitetos, decoradores e paisagistas. O que antes era visto como um luxo . De acordo com o arquiteto Thiago Giusti, do escritório A8, a procura por reformas vem crescendo cerca de 20% a cada ano. “Sendo que mais de 60% do público que nos procura é do sexo feminino”, afirma. Entre as modificações mais pedidas estão a criação de home theaters , a automação dos equipamentos e a atualização de acabamentos.

O projeto de banheiros - spa e cozinhas superequipadas, abertas para a sala, também são demandas constantes das mulheres. “Elas querem conforto, funcionalidade e praticidade. No banheiro, por exemplo, esperam ter o chuveiro perfeito com uma iluminação de sonhos”, afirma a arquiteta Vivian Coser, de Vitória (ES).

Foi exatamente isso que fez a publicitária Alessandra Oliveira, em sua casa na Granja Viana, em Carapicuíba. Há cinco anos ela deu início a uma grande reforma, que começou pelo banheiro do casal, que ganhou banheira e lâmpadas de cromoterapia. “Eu e meu marido trabalhamos em um ritmo alucinado. Então, queria chegar em casa e poder descansar num ambiente superacolhedor”, diz ela, que mais recentemente aproveitou o quintal para construir piscina , churrasqueira e forno de barro para a pizza, com direito a máquinas de fazer gelo e pão. “Baseei-me muito em revistas e sites de decoração , mas contratei uma paisagista para ajudar no jardim ”, completa.

A liberdade para modificar os ambientes também passa pela segurança adquirida nos últimos anos, graças ao avanço da economia, com a compra da casa própria. Segundo dados do Ibope, atualmente, 69% das mulheres das regiões metropolitanas de São Paulo, Rio de Janeiro, Porto Alegre, Curitiba, Belo Horizonte, Salvador, Recife, Brasília e Fortaleza residem em imóvel próprio. 

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.