Exposição em São Paulo traz soluções cheias de charme para residências acessíveis

Acessibilidade, conforto e design aparecem juntos na 1ª Mostra Casa e Corporativo Acessíveis, em cartaz no Shopping D&D, em São Paulo. Com 20 ambientes criados por 18 arquitetos a partir do conceito de arquitetura inclusiva, toda a exposição foi fundamentada nas normas da ABNT, para garantir que as soluções apresentadas realmente atenderiam as necessidades diárias de pessoas com mobilidade reduzida. Resultado testado e aprovado por um cadeirante que visitou todos os ambientes antes da abertura ao público, ontem à noite.

Para Ingrid Cincurá, que ao lado de Melissa Lira ficou responsável pela criação do Quarto do Bebê, não é difícil criar ambientes acessíveis. “Existem detalhes mínimos aos quais normalmente não prestamos atenção, mas que fazem muita diferença na movimentação do cadeirante. E, no caso da mãe portadora de deficiência, as necessidades são ainda maiores”, diz.

No ambiente criado pelas arquitetas, estão um berço com grade regulável, uma poltrona de amamentação, uma cama e uma cômoda, além de um móvel criado para servir de apoio a uma banheira de bebê em estilo vitoriano. Todas as peças foram posicionadas sobre um tapete de aubusson, material escolhido por ter apenas 4 mm de espessura.

Uso da cor

Para a arquiteta Daniela Colnaghi, que criou a garagem da mostra, é muito importante ter um ambiente alegre desde a entrada da casa. “Se não houver esse cuidado com o projeto, muitas casas de portadores de deficiência acabam ficando com visual pesado e monótono, que lembra hospital”, afirma.

Ela optou por trabalhar com muita cor e trazer elementos que remetam aos hobbies do morador. “Nesse caso, idealizei um jovem aventureiro e trouxe ao espaço equipamentos esportivos, para hipismo e tirolesa, adaptados a portadores de deficiência física”, conta a arquiteta.

Uma solução decorativa interessante pode ser vista no hall, desenvolvido por Evelin Sayar. Ela instalou a barra de apoio sobre um painel fotográfico com a imagem de uma jardineira.

Piso regular

Nas casas acessíveis, é preciso estar atento à regularidade do piso. Para combater a monotonia sem atrapalhar a locomoção, uma boa alternativa é rebaixar o piso em uma determinada área e preencher o novo espaço com um material diferente. No Living da mostra, Cristiane Schiavoni utilizou pastilhas de vidro para criar esse efeito. No Home Theatre, Marcos Jordão optou por um tapete.

No banheiro, é importante que não haja nenhum tipo de divisória para acessar o chuveiro, como no projeto de Robson Gonzáles. O ambiente tem uma moderna e espaçosa cadeira para banho e uma pia com altura regulável. A decoração é reforçada por um aquário na parte superior de uma das paredes.

Automação

Assim como todo o equipamento do Home Theatre, a poltrona do ambiente que homenageia a vereadora Mara Gabrilli, que é tetraplégica, também é acionada por comando de voz.

O projeto, assinado por Solange Marchezinni e Cíntia Ema Padovan, chama atenção também por uma solução que raramente é adotada: o espaço para o encaixe da cadeira de rodas sob uma estante para livros – a medida é mais lembrada na hora da escolha de mesas de jantar e escrivaninhas.

No Dormitório do Casal, de Glen Finch, metade da cama dispõe de sistema de elevação por acionamento de controle remoto.

Ginástica da mente

Para criar o Spa da mostra, a arquiteta Zoe Gardini se inspirou em um vídeo feito pelo norte-americano Matthew Sanford, que é professor de yoga e tem tetraplegia. “O que mais me marcou no vídeo do Matthew foi a ideia de que nossos limites são impostos por nossa mente”, diz. Ela criou um bom espaço para circulação e prática de yoga, rodeado por móveis baixos.

Serviço

1ª Mostra Casa e Corporativo Acessíveis 2010 – Projeto & Estilo
Local: Shopping D&D
Endereço: Av. das Nações Unidas, 12.555, Brooklin – São Paulo (SP)
Horário: das 10h às 22h
Até 25 de julho
Entrada gratuita
Informações: (11) 3043-9000 / 3043-9650


    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.