A colonização alemã se reflete nas construções de Gramado, no Rio Grande do Sul

Telhados de beirais largos e construções em madeira são padrão em Gramado
Divulgação
Telhados de beirais largos e construções em madeira são padrão em Gramado
A cidade serrana de Gramado, no Rio Grande do Sul, é um dos destinos obrigatórios no inverno. Diversos casais seguem rumo aos dias gelados da cidade gaúcha à procura dos apetitosos fondues e de passeios românticos.

As construções têm um quê de Europa – são casas amplas com telhados de beirais largos e cores vivas, paredes de pedra, muita madeira e janelas com molduras. “Elas são reflexo da colonização alemã”, diz o professor Frederico Flósculo, da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de Brasília (Unb).

Os jardins são repletos de flores e estão por toda a parte para dar boas-vindas aos visitantes. “Eles são os grandes destaques do local, com flores vistosas e coloridas”, comenta.

Inclua no roteiro

Os apaixonados por arquitetura devem reservar um dia para contemplar cada detalhe da igreja São Pedro, construída em 1943 com pedras basálticas encontradas na região.

A obra levou cerca de oito anos para ficar pronta e possui uma torre de 46 metros. Os destaques principais são os vitrais sacros que iluminam o interior do local.

Vale saber

O pórtico de entrada da cidade foi inspirado em casas de cidades do interior da Alemanha. A construção possui telhas asfálticas, típicas de regiões frias, e beirais de madeira.


    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.