Com a ideia de construir uma residência diferente, o professor aposentado Roberto Rivera investiu em uma estrutura que pudesse ser vista durante o dia e a noite

NYT

Nas últimas semanas, uma estrutura semelhante a um disco voador foi vista em uma colina nesta pequena aldeia no lado sul da ilha. Às vezes, ao entardecer de alguns dias, é possível avistar suas luzes coloridas desde a rodovia principal, o que faz com que o tráfego quase pare de fluir. Os transeuntes curiosos que se aventuram e saem da estrada descobrem que a estrutura, que parece ter fundações sólidas, faz um som de quatro tons que lembra a saudação emitida pela nave mãe de "Contatos Imediatos do Terceiro Grau".

Ainda na escola, Rivera enviava para sua namorada bilhetes com imagens de discos voadores e prometia construir uma casa com tal formato
Divulgação / NYT
Ainda na escola, Rivera enviava para sua namorada bilhetes com imagens de discos voadores e prometia construir uma casa com tal formato

Os tons se silenciam, mas as luzes coloridas e estroboscópicas que piscam sobre a cúpula fazem com que seja difícil não perceber a casa, o que é exatamente o que o proprietário deseja. Pois essa é uma história mais à la Gatsby do que intergaláctica, embora a luz que pisca, nesse caso, não seja verde nem esteja no final de um cais, mas lavanda, e anuncie-se à pessoa amada e ao cosmos.

Leia também:  Casas estranhas pelo mundo

A história de uma casa que está sendo construída há 40 anos, no entanto, não deve ser contada de modo apressado. Por isso, vamos começar apresentando o protagonista, que vem, é claro, de uma terra distante: a cidade de Ponce, em Porto Rico , que fica a 20 minutos dali. O nome dele é Roberto Sanchez Rivera. Ele tem 58 anos e é professor aposentado de artes industriais.

Como a repórter não fala a língua nativa de Rivera, sua namorada, Maria Martinez, uma secretária de 56 anos do escritório da Receita Federal em Isabela, que cresceu em Nova York e namora Rivera há dois anos, concordou em traduzir a conversa. 

Essas luminárias, que Rivera acrescentou à parte inferior da casa alguns meses atrás, do que elas são feitas?

"São saladeiras da loja de 1,99", diz Martinez. "Eu não sei se elas custaram US$ 1,99 ou US$ 2,99."

Ela chama Rivera, que havia entrado na casa por um momento. "Roberto, a como le costaron los bowls de ensalada?" Então, traduz para a repórter: "US$ 1,99".

Com cerca de R$ 306,6 mil, o professor construiu uma casa de três quartos e dois banheiros
Divulgação / NYT
Com cerca de R$ 306,6 mil, o professor construiu uma casa de três quartos e dois banheiros

"Quando começou a instalar a iluminação, costumava caminhar até a esquina para ver como tinha ficado", diz Martinez, enquanto ela e seu filho, Leandro, de 24 anos, e Rivera entravam na casa para se sentar à mesa da cozinha, que parece flutuar acima do chão.

"Em três ocasiões, ele foi até a esquina. Observava, então, a reação das pessoas quando acendia as luzes – elas não sabiam que ele era o dono da casa – e ele ouvia: 'Ficou melhor agora', 'Sim', 'Certo'."

Uau, eles realmente estão entre nós.

E quanto ao som de quatro tons, que, Rivera confirma, vem de fato de "Contatos Imediatos do Terceiro Grau"?

"Ele baixou da Internet", diz Martinez. Poderíamos pensar que um sujeito que constrói uma casa com a forma de uma nave espacial acredita em visitantes do espaço sideral, mas esse não é o caso. Rivera não tem sequer um interesse em particular em filmes sobre o espaço, e muitas vezes confunde "Contatos Imediatos", com, como ele diz, "aquele do dedo... 'E.T.'".

Ele é simplesmente um homem criativo, insiste Martinez. No colegial, decidiu que um dia iria construir uma casa diferente de qualquer outra. E depois de obter uma licenciatura em artes plásticas e estudar desenho industrial, foi capaz de fazer isso.

Rivera, que tem alma de artista, comprou o terreno onde fica sua casa por 95 mil dólares em 2002 e conseguiu construir nele um lar de três quartos e dois banheiros por cerca de 150 mil dólares, com bugigangas de lojas de desconto e autopeças descartadas. A palavra "reaproveitado" não é suficiente para fazer justiça à engenhosidade de Rivera quando confrontado com um pedaço de estanho.

No banheiro de hóspedes, o teto é feito de toalhas de banho, esticadas e laqueadas. Há também uma pintura impressionante de Rivera que mostra um homem mais velho com o braço ao redor do ombro de um rapaz e, no fundo, uma mulher de cabelos compridos se afastando. O jovem tem uma lágrima proeminente escorrendo pelo rosto. 

Para mobiliar a casa, Rivera usou bugigangas de lojas de desconto e autopeças descartadas
Divulgação / NYT
Para mobiliar a casa, Rivera usou bugigangas de lojas de desconto e autopeças descartadas

"A imagem é a história desta casa", diz Martinez, traduzindo para Rivera, que fica na porta. "O homem mais velho é seu professor, que o traiu, contando mentiras. A mulher era outra estudante. Rivera era namorado dela. Eles ficaram juntos por cerca de três meses. Eles se separaram; ela disse à mãe que ele nunca seria nada na vida."

Isso foi o que inspirou Rivera a construir esta casa, continua Martinez. "Ele queria fazê-lo em um local que fosse visto por ela dia e noite caso ela fosse viajar, de modo que ela se arrependesse dessas palavras."

Ah, sim, o que mais chama atenção são os dramas vividos durante esses 40 anos.

Saiba mais:  Traga a beleza da camurça para as paredes de casa

Rivera foi uma criança pobre, com 11 irmãos, cujo pai era superintendente de um engenho de cana de açúcar, continua Martinez. Quando frequentava a escola, foi a uma viagem de campo e viu uma casa sendo construída na forma de um barco, o que causou uma grande impacto sobre ele. Era uma época em que se falava muito de OVNIs.

A mulher do quadro, cujo nome Rivera se recusa a revelar, estudava com ele, e ele enviava bilhetes apaixonados para ela com imagens de discos voadores, prometendo que um dia iria construir uma casa com essa forma. Mais tarde, quando eles estavam estudando na Pontifícia Universidade Católica de Ponce, Rivera e a jovem começaram a sair.

"Acabou porque ela escreveu uma carta para ele dizendo que não queria continuar o relacionamento, porque não o amava mais", diz Martinez, traduzindo para Rivera. "Foi a mãe que explicou para Rivera que a filha havia dito que ele nunca iria ser nada na vida. Ele ficou chocado. Ele morava no 13º andar e sentiu vontade de se jogar, mas se segurou e disse: 'Não, eu vou mostrar para ela. Vou trabalhar dobrado para mostrar para ela quem eu sou'."

Na hora de decorar a sala, o professor aposentado abusou de soluções alternativas
Divulgação / NYT
Na hora de decorar a sala, o professor aposentado abusou de soluções alternativas

Martinez está traduzindo de modo factual, mas Rivera fala com emoção. "Isso o motivou mais", diz ela. "Ele apenas se reergueu e decidiu que um dia ela ouviria falar dele." 

É por isso que ele comprou esse terreno, que pode ser visto da estrada?

"Es eso! Isso!", responde Rivera, que fala um pouco de inglês.

Martinez parece muito calma traduzindo tudo isso, dizemos a ela. Isso não a deixa com ciúmes?

"Sim", diz ela, isso a deixa angustiada. Mas Rivera não sente mais nada pela mulher.

A última vez que ele a viu foi há quatro anos, diz Martinez, retomando a tradução. Ele tinha sido casado, tinha dois filhos e estava divorciado até então. Ela ligou para ele e ele a convidou para vir ver a casa. O imóvel estava em sua primeira fase – uma casa em forma de um octógono – mas, ainda assim, a mulher ficou impressionada.

Rivera queria que ela visse onde ele morava para que quando ela dirigisse por ali, soubesse que era a casa dele, diz Martinez. Ele também sabia que esta seria a única vez que ela o visitaria. A mulher estava interessada nele novamente, mas ele não queria ter mais nada com ela.

Vamos seguir em frente, então, para a história de amor atual. Como Rivera conheceu Martinez, que veio para Porto Rico depois de um divórcio para viver um novo começo?

Ela estava dançando com um grupo de amigos, conta Martinez. Seus olhos se encontraram e os dois ficaram imóveis. Mais tarde, ele a chamou para dançar, mas era tão tímido que mal conseguia olhar para ela. Quando ela foi embora naquela noite, ele disse: "Espere um minuto", e pegou um guardanapo, torcendo-o na forma de uma rosa.

"Foi assim que ele roubou meu coração", diz Martinez. "Com uma rosa."

Veja também:

Já ouviu falar em boiserie? Conheça o revestimento e leve elegância às paredes

“O design precisa mudar a forma como entendemos as coisas”, afirma Tom Price

Como escolher e adaptar o corrimão

Siga o iG Delas pelo Twitter e assine nossa newsletter para ficar por dentro das novidades.

    Leia tudo sobre: casa
    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.