Revestimento apresenta vantagens nos quesitos limpeza, absorção de água e economia

Presente em muitos lares brasileiros, o porcelanato é um revestimento versátil e que oferece um número cada vez maior de opções para os ambientes. Ele reproduz materiais como granito e mármore (com direito à textura semelhante), pode ser encontrado em diferentes tamanhos  formatos e oferece uma imensa variedade de cores e tons. Mas quando vale a pena optar por seu uso?

Leia também:  Novidades em porcelanato invadem a Expo Revestir

Vantajoso, o porcelanato apresenta baixa absorção de água, é resistente e tem limpeza fácil
Divulgação
Vantajoso, o porcelanato apresenta baixa absorção de água, é resistente e tem limpeza fácil
Embora a decisão seja, muitas vezes, definida pelo senso estético de cada um, o aspecto econômico é um fator determinante na hora da compra. “As peças naturais – como  tábuas de madeira  e placas de pedra – têm história, mas podem ter custo extremamente alto. Já o porcelanato é mais barato do que mármore e granitos, por exemplo”, diz Fernando Laterça, professor de arquitetura do Centro Universitário Belas Artes.

Além disso, o  porcelanato  apresenta baixa absorção de água, é resistente, menos suscetível a manchas e tem limpeza fácil. Também pode ser facilmente reposto e não exige mão de obra especializada para ser colocado – ao contrário de algumas pedras com espessuras irregulares.  

Pontos negativos

Dentre as modalidades de porcelanato, o acetinado é o que oferece maior resistência a riscos. Já o polido é suscetível a manchas, naturalmente escorregadio (exceto algumas opções) e não tem uso recomendado para cozinhas. Outro ponto negativo do porcelanato é a perda de brilho com o passar do tempo, algo que ocorre principalmente em  peças  escuras colocadas em áreas de grande movimento. 

Problemas acústicos também devem ser considerados antes da compra. “No caso de ambientes amplos, que precisam conter a reverberação do som, o porcelanato não é a melhor saída”, lembra Edmilson Queiroz Dias, professor do curso de arquitetura e urbanismo da Unesp. 

Quando comparado à madeira, este  revestimento  fica em desvantagem no quesito sensação térmica. “A madeira transmite ideia de conforto e aumenta a temperatura do ambiente. Por isso, antes de fazer a escolha, pense no que se quer despertar e no aspecto plástico que a aplicação resultará”, afirma Dias.

Veja mais:

Pisos diferentes em harmonia

Limpeza do piso requer cuidados

A praticidade dos pisos frios

Siga o  iG Delas  pelo  Twitter  e assine nossa newsletter  para ficar por dentro das novidades.



    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.