Dermatoligista explica os efeitos das câmeras de bronzeamento na pele

_CSEMBEDTYPE_=inclusion&_PAGENAME_=delas%2FMiGComponente_C%2FConteudoRelacionadoFoto&_cid_=1237508746895&_c_=MiGComponente_C

Dra. Daniela Presente Taniguchi, professora de Dermatologia da Faculdade de Medicina do ABC, concorda com a proibição da ANVISA: A radiação ultravioleta é a principal causadora dos cânceres de pele mais comuns. A radiação penetra na pele, modificando o DNA das células. O nosso organismo consegue reparar estes danos, mas quanto mais o tempo passa, e quanto maior a exposição à radiação UV, aumentam as chances de falhas neste reparo, e aí o câncer de pele pode surgir, afirma a médica.

Segundo a médica, o que atrapalha o julgamento é o fato de as pessoas associarem dano á saúde com queimadura: Muitas pessoas acham que este método não causa nenhum problema, já que não apresenta eritema (queimadura solar). Isto acontece porque as câmaras irradiam principalmente a radiação ultravioleta A (UVA) que não causa queimaduras. Porém sabemos que a UVA também causa câncer de pele, e está potencializada nestas câmaras para proporcionar um bronzeamento rápido. Boa parcela das pessoas que procuram o bronzeamento artificial são as de pele muito branca que costumam ficar vermelhas quando expostas ao sol. Estas são as pessoas mais predispostas ao câncer de pele e, por acharem que não faz mal, fazem disso um hábito- o que aumenta muito o risco de um câncer de pele no futuro.

Mas e quem fazia bronzeamento artificial sem saber de seus perigos, o que deve fazer? A médica orienta: Quem já fez o bronzeamento artificial deve redobrar os cuidados ao sol e sempre consultar um médico, para detecção precoce de lesões pré-malignas ou malignas.

Saiba mais:
*Saiba quais são as alternativas para o bronzeamento artificial
*Como ficam as clínicas que ofereciam o serviço?

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.