Não deixe para depois. Prevenir é a melhor indicação contra o envelhecimento. E os cuidados começam desde a infância

Cremes, preenchimento, laser, peelings e quem sabe até uma puxadinha aqui e ali. A medicina e a indústria cosmética oferecem muitas soluções eficazes para driblar o envelhecimento e as imperfeições da face. Hoje é possível corrigir a textura e disfarçar rugas com procedimentos pouco invasivos e cada vez mais acessíveis. O rosto de estrela da televisão não é distante da realidade.

Leia também: Aprenda a tratar da oleosidade da pele

Nada de espremer as espinhas que aparecem mais durante o verão. Aprenda a cuidar da pele e diminuir a ocorrência da acne
Thinkstock
Nada de espremer as espinhas que aparecem mais durante o verão. Aprenda a cuidar da pele e diminuir a ocorrência da acne



Um dos pontos mais importantes para uma derme bonita e saudável é a prevenção ao longo do tempo, e isso envolve principalmente limpeza, hidratação e proteção solar. Quanto mais cuidados, menos invasivos serão os tratamentos para combater o envelhecimento no futuro, segundo o cirurgião plástico Romeu Fadul, especialista em rejuvenescimento. “Quem faz o preventivo consegue ir mantendo bem sem precisar de procedimentos cirúrgicos”, diz ele. E mesmo quando as incisões são necessárias, elas estão muito menores e com resultados comparáveis aos procedimentos maiores, de acordo com o cirurgião.

Os danos de “roubar” na idade dos cremes
Segundo a dermatologista Cristiane Braga, cada tipo de dano e faixa de idade precisa de um cuidado específico. Não adianta uma mulher de 30 anos usar creme para 60 anos em busca de obter vantagem. Um creme muito concentrado de ativos anti-idade, por exemplo, pode trazer mais problemas que benefícios. “Um cosmético para alguém de 60 anos é muito gorduroso para alguém de 30 e pode desencadear acne. O produto é ideal para cada faixa etária, senão o tiro sai pela culatra“, diz Mauricio Pupo, professor de cosmetologia. Além disso, é comum que os produtos concentrados apresentem ácidos na fórmula, e isso pode causar irritações e nenhum resultado positivo para as mais jovens.

espinha
Getty Images
espinha

Tratamentos para cada idade
Saber envelhecer faz parte do jogo. Querer ter pele de 20 anos aos 50 é desejo ilusório. É daí que surgem aqueles rostos esticados ou desfigurados por procedimentos exagerados. No entanto, alguns cuidados frequentes garantem a beleza da pele de forma harmoniosa no decorrer dos anos. Veja quais são eles de acordo com cada faixa de idade:


Leia também:  Recupere a pele das agressões do verão

Cuidados na infância

A dermatologista Eliandre Palermo conta que desde a infância, a pele já tem que tomar alguns cuidados. "A principal dica é evitar o uso de produtos com fragrâncias fortes e optar por cosméticos desenvolvidos exclusivamente para crianças".

Adolecência 

Já na adolecência os cuidados com a pele começam a aumentar. Eliandre conta que  a puberdade é a fase da ebulição dos hormônios aumentando a oleosidade da pele. Por isso é nesta fase que os adolecentes se queixam com o aparecimente de acnes e espinhas. Veja os cuidados nessa fase: limpador (pode ser sabonete ou loção sem sabão para peles mais sensíveis),  esfoliante, tônico ou adstringentes podem ou não ser usados. Para peles sensíveis essa etada pode ser evitada. Hidratação e fotoproteção com filtro não oleoso.

Leia também: Aula de maquiagem

20 anos: Proteção solar, limpeza e hidratação suave são os pontos mais importantes. A higienização deve ser feita com produtos não agressivos e sem álcool. Além disso, é comum a formação de acne nesse período e, nesses casos, é preciso fazer um tratamento específico de acordo com orientação do dermatologista.

30 anos: Boa proteção solar e hidratação previnem marcas superficiais e mantém a pele vistosa e brilhante, com aspecto jovial. É hora para começar a usar cremes específicos anti-idade e nutrir a pele. É possível que já existam algumas manchas do sol e cicatrizes de acne no rosto, que podem ser tratadas com laser ou peeling.

Agora é a hora de tratar de manchas, rugas e cicatrizes. Decida com seu dermatologista qual o tratamento mais adequado
Thinkstock/Getty Images
Agora é a hora de tratar de manchas, rugas e cicatrizes. Decida com seu dermatologista qual o tratamento mais adequado


40 anos: Hidratação, limpeza de pele e ginástica facial são indicadas, além do uso de cremes anti-idade no período noturno. A aplicação moderada de toxina botulínica pode ajudar a amenizar linhas e rugas mais acentuadas e prevenir que a pele fique marcada. O fumo é o principal vilão do envelhecimento e isso aparece claramente nessa fase da vida. Cuidados com alimentação devem ser redobrados e, segundo Cristiane, é recomendável suplementação oral, com nutricosméticos. Como nas outras fases, a proteção solar é indispensável.

45 anos: Neste estágio, a face já tem uma queda de gordura e, para reverter essa flacidez e estimular o colágeno, são recomendados tratamentos com aparelhos que realizam uma contração da pele, laser, luz pulsada ou ácido retinóico. De acordo com Romeu, a rádiofrequência é boa opção para levantar a área da sobrancelha. “As artistas americanas fazem isso semanalmente junto com outros procedimentos”, diz. Maurício indica o uso de cremes com hormônio vegetal, como isoflavona de soja.

Leia também: Acne da mulher adulta: saiba quais as causas e como tratar o problema

50 anos: Será preciso aumentar o rigor com a proteção solar e adotar um fator mais alto. Cristiane indica um aumento da frequência das sessões de laser, infravermelho e radiofrequência, além de um peeling anual para homogeneizar a textura e a coloração cutânea. De acordo com os sinais da pele, já é possível pensar em injeções que dão volume e preenchem os sulcos – para isso são usados o ácido hialurônico e enxertos de gordura. Nesta fase, muitas pessoas exageram em busca da juventude perdida e acabam piorando ainda mais o aspecto da face.

60 anos ou mais: Continuam os cuidados da fase anterior, porém agora com mais intensidade. Para quem não fez tratamentos preventivos, será necessário recorrer a procedimentos mais invasivos e cirurgias plásticas para um rejuvenescimento mais aparente. Se o grau de flacidez cutânea for muito avançado, é possível fazer cirurgias pequenas, incluindo a área do pescoço.


    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.