Como prevenir e tratar a flacidez no pescoço

A temida “papada” pode ser amenizada com hidratação e proteção solar

Ricardo Donisete, especial para o iG São Paulo |

Getty Images
A prevenção é fundamental, mas tratamentos ajudam a reverter a flacidez e rugas
A flacidez da pele embaixo do queixo, popularmente conhecida como “papada”, é um dos sinais do envelhecimento temidos por mulheres e homens. Mas as rugas na região do pescoço podem ser evitadas e até solucionadas com tratamentos dermatológicos ou cirurgias.

O primeiro passo é a prevenção e, nesse caso, a dica principal é evitar a exposição exagerada ao sol desde a infância. “Além disso, é recomendada atenção especial para a área a partir dos 30 anos”, orienta o cirurgião plástico Ruben Penteado. Segundo o dermatologista Marco Antonio de Oliveira, é nessa fase da vida que o pescoço começa a apresentar vincos mais acentuados. Para combater esse processo, o uso de hidratantes e proteção solar diariamente previne a degeneração das fibras colágenas e elásticas da pele, adiando os efeitos da flacidez.

Outra maneira de evitar o acúmulo de pele flácida no pescoço é fugir do “efeito sanfona”, que acontece com quem engorda e emagrece com freqüência ou rapidamente. “O acúmulo de gordura nesta região seguido de sua perda pode gerar a papada, principalmente naqueles mais suscetíveis geneticamente”, alerta Penteado.

Apesar da prevenção, é inevitável que ao longo do tempo a pele do pescoço apresente flacidez e rugas. Quando isso acontece, procedimentos dermatológicos são os mais indicados para as marcas sutis. Em casos mais graves, é preciso recorrer às cirurgias plásticas.

Ácido Hialurônico e Acido Polilático
Esses preenchedores são aplicados em consultório. Dão aspecto mais firme e reduzem sobras, além de estimularem o colágeno. Podem custar cerca de R$ 1 mil.

Peelings
Há diferentes tipos de peelings que podem ser indicados por dermatologistas. Eles promovem uma regeneração da pele, removendo a camada superficial. Os tecidos ficam mais claros e enrijecidos, dando um aspecto mais jovial ao pescoço. Os preços variam a partir de R$ 200 por sessão.

Laser
No mercado estético há vários tipos de lasers que podem ser úteis no tratamento da flacidez. Eles se dividem em duas categorias: os ablativos, que removem a camada externa da pele, e os não-ablativos, menos intensos, usados principalmente para estimular o colágeno da área onde foi aplicado. “Lasers como Luz Intensa Pulsada, Laser Fracionado de CO2 ou Érbio, Radiofrequência e Infravermelho, assim como peelings, oferecem resultados surpreendentes”, diz Oliveira. O tratamento pode custar de R$ 500 a R$ 1 mil por sessão.

Toxina Botulínica
A substância também pode ser usada para diminuir a flacidez. O músculo local fica mais relaxado, deixando a pele mais lisa e menos flácida. Como é aplicada com agulha, é necessário bastante cuidado do profissional, já que a área cervical é bastante sensível. A aplicação custa em torno de R$ 1.000.

Lifting e Lipoaspiração
De acordo com Ruben Penteado, nos casos de flacidez mais intensa no pescoço, a solução mais indicada é a cirurgia plástica, mais especificamente o lifting. “Um levantamento desta região reposiciona a pele e também estruturas mais profundas como a musculatura da região”, explica. Quando indicado, o lifting é feito com incisões próximas das orelhas e elimina a pele excedente. A operação custa, em média, de R$ 7 mil a R$ 10 mil.

Além de pele sobrando, também pode haver acúmulo de gordura no pescoço. Neste caso, será necessária uma lipoaspiração para retirar esse excesso.

Leia também:
Dermatologista das estrelas dá dicas para a pele
Limpeza para manter a pele suave e fresca
Máscara de ouro promete efeito lifting

    Leia tudo sobre: pelepescoçoflacideztratamentopapadalifting

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG