Mulheres e homens comuns buscam o visual de celebridades como Kate Winslet, Vanessa Paradis e Heather Locklear nos consultórios de cirurgia plástica.

NYT

Quando Nino Dean se olha no espelho, o rosto que o encara tem uma semelhança um tanto estranha com o da cantora francesa Vanessa Paradis, ex-mulher de Johnny Depp.

A semelhança não se deve a um acaso genético. Nino, estilista freelance de Manhattan, passou por uma cirurgia há 13 anos para ficar com o rosto parecido com, no mínimo, um primo de segundo grau de Paradis – se não um irmão gêmeo idêntico.

"Eu queria ficar com o rosto de bebê que ela tem, pois para mim, ela é um referencial em termos de beleza", disse Dean, que tem 37 anos, mas disse que a maioria das pessoas acha que ele tem 20 e poucos.

Stacy Shanahan (direita) mudou o nariz na expectativa de se parecer com a atriz Heather Locklear
Emily Berl / The New York Times | Getty Images
Stacy Shanahan (direita) mudou o nariz na expectativa de se parecer com a atriz Heather Locklear


É rotina ver revistas e sites com fotografias de pessoas que mudaram o rosto para ficarem parecidas com uma estrela de cinema, uma cantora pop, um brinquedo da Mattel, uma rainha egípcia, ou, no caso notório e talvez não intencional da socialite Jocelyn Wildenstein, um animal selvagem.

Embora solicitações desse tipo de transformação não apareçam todos os dias, os médicos dizem que elas surgem regularmente.

"Cerca de uma vez por mês aparece alguém querendo ficar parecido com um familiar, amigo ou celebridade", disse o Dr. Sam Lam, cirurgião plástico facial de Dallas. "Certa vez apareceu um paciente que queria ficar parecido com o primo, que era modelo. Outro pediu que eu fizesse um implante de queixo para que ele ficasse parecido com o irmão mais velho".

Apesar de ser às vezes possível alcançar uma semelhança notável ou chocante, é impossível recriar a imagem de outra pessoa. A estrutura óssea, as proporções faciais e certas características inefáveis compõem a aparência das pessoas.

"É realmente impossível fazer com que alguém 'se passe' por outra pessoa", disse o Dr. Steven Teitelbaum, cirurgião plástico de Santa Monica, Califórnia, e porta-voz da Sociedade Americana de Cirurgia Plástica Estética, uma organização profissional. "No máximo, podemos tentar imitar um traço, como um nariz bonito, ou mesmo inserir um implante de queixo totalmente desproporcional para imitar o rosto quase caricatural do Jay Leno".

O objetivo de Deborah Davendport é parecer-se com a atriz Kate Winslet - antes, ela era comparada à também atriz Cameron Diaz
Rex C. Curry / The New York Times
O objetivo de Deborah Davendport é parecer-se com a atriz Kate Winslet - antes, ela era comparada à também atriz Cameron Diaz


É possível, no entanto, repetir o mesmo procedimento exagerado em diferentes pacientes – por exemplo, "uma sobrancelha excessivamente alta, uma redução nasal excessiva, lábios excessivamente cheios. Você pode ir muito mais longe, imitando as características de um Michael Jackson, ele próprio uma piada da cirurgia plástica, em vez de imitar os traços de alguém que nunca passou por uma cirurgia".

Prestar homenagem a uma parte específica do corpo de alguém também é uma opção. Os pacientes muitas vezes vão ao consultório de um cirurgião armados com uma fotografia do traço físico do qual mais gostam em uma celebridade. O duplo dos sonhos de Stacy Shanahan é Heather Locklear, mais exatamente como a atriz aparentava na época da personagem Sammy Jo Carrington.

Shanahan, de 49 anos, executiva de contas de uma empresa de embalagens de Mission Viejo, Califórnia, daria a bochecha direita para ter o brilho de Locklear, com quem ela compartilha os cabelos loiros, olhos azuis esverdeados e traços delicados. "Eu sei que parece loucura, mas eu ficaria feliz se fosse mais parecida com ela. Eu não sentiria falta da minha aparência. A Heather é linda", disse Stacy.

Stacy estava tão determinada que pediu ajuda ao Dr. Burr von Maur, de Newport Beach, Califórnia, cirurgião plástico que tinha feito uma cirurgia estética nos seus seios. Von Maur acabou fazendo uma plástica no nariz em Stacy (o custo: 6.500 dólares) para evocar o "espírito" de Locklear.

"É impossível reproduzir algo; é impossível clonar uma pessoa. É melhor aperfeiçoar as características do próprio paciente, para que possamos descobrir a beleza que já se encontra nele sem alterar radicalmente a sua aparência", disse ele.

Os médicos dizem que uma parte significativa do trabalho que exercem consiste em distinguir os pacientes que têm uma preocupação médica ou estética legítima – arbitrária em si mesma – daqueles que sofrem de transtorno dismórfico corporal, uma preocupação extrema com uma falha mínima ou imaginária em sua aparência.

"Eu tive um paciente que foi de médico a médico tentando fazer uma cirurgia para ficar parecido com o Brad Pitt", disse Amy Wechsler, dermatologista e psiquiatra de Nova York. "Era como se ele achasse que a vida ia ficar muito melhor se ele tivesse a característica X, Y ou Z de uma determinada pessoa, o que pode virar uma obsessão."

Muitos médicos têm preocupações éticas quanto a esses tipos de consultas. Por exemplo, e se um paciente for considerado psicologicamente saudável e ainda assim quiser ficar parecido com o diabo? E se um médico atender o seu pedido? E se um paciente ganhar a vida como imitador de Michael Jackson e quiser fazer uma cirurgia para ter mais sucesso na carreira? A artista francesa Orlan, tem usado o rosto como uma tela cirúrgica para questionar noções pré-estabelecidas de beleza.

"Você respeita a autonomia do paciente", disse Leonard Fleck, professor de Filosofia e Ética Médica da Faculdade de Medicina Humana da Universidade Estadual de Michigan. No entanto, se o médico achar que a escolha do paciente é equivocada, "ele não é moralmente obrigado a seguir os seus desejos. Ele pode dizer: 'Eu acho que essa é uma péssima ideia'", esclareceu Fleck.

Para Joan Kron, autora de "Lift: Wanting, Fearing and Having a Face-Lift" ("Lift: O medo e o desejo da plástica facial", em tradução livre) e editora colaboradora geral da Allure, atender os desejos do paciente é responsabilidade do médico, sem extrapolar os limites da razão e sem impor a sua opinião.

"A maioria dos médicos é treinada para perguntar aos pacientes sobre o motivo pelo qual eles lhe procuraram. Essa é geralmente a primeira pergunta. Se o médico disser que tem que dar um jeito no seu nariz antes mesmo de você abrir a boca, é melhor cair fora", disse Kron.

Quanto aos pedidos mais estranhos, ela questionou se eles são piores do que outras maneiras culturalmente aceitas de modificar o corpo.

"É pior ficar parecido com um gato ou ter tatuagens cobrindo cada centímetro da pele?", perguntou ela. Se você quiser ficar parecido com um gato, acrescentou, "talvez deva ser incentivado a fazer uma maquiagem antes para ver se realmente quer viver com essa aparência".

Para o ex-namorado de Liberace, Scott Thorson, os pacientes devem fazer o que bem quiserem. Quando Scott tinha 20 anos, ele recorreu ao Dr. Jack Startz, com quem realizou uma rinoplastia, colocou um implante de queixo e reestruturou as maçãs do rosto para que ficassem parecidas com as de Liberace.

Scott, hoje com 54 anos, disse ser feliz com o seu rosto, embora tenha removido o implante no queixo. "Eu me acostumei ao meu rosto. As pessoas podem fazer o que quiserem. Não acho que existe nada de errado nisso", disse ele.

Deborah Davenport, de 41 anos, dona de uma empresa de consultoria de tecnologia imobiliária de McKinney, Texas, concorda com Scott. Durante anos, Davenport ouviu que parecia com a atriz Cameron Diaz, o que não a agradava nem um pouco.

"Meu nariz parece estar ficando cada vez mais gordo a cada ano que passa. Eu olho para as fotos e penso 'meu Deus, o que está acontecendo comigo?'", disse Davenport.

Ela perguntou a si mesma com quem gostaria de ser parecida, e depois de vasculhar revistas e filmes, a resposta chegou: Kate Winslet. Deborah recorreu a Dr. Sam Lam, que raspou a cartilagem de seu nariz, injetou o preenchimento dérmico Sculptra para engordar as suas bochechas e esguichou um pouco de Botox em sua testa e ao redor dos seus olhos para torná-la mais parecida com Winslet. A conta foi de 15 mil dólares.

Poucas coisas satisfazem tanto Deborah quanto ouvir que parece com a estrela vencedora do Oscar. Pouco importa que Winslet seja contra cirurgias plásticas. A ironia não escapa a Deborah. "Aqui estou eu, fazendo plásticas para ficar parecida com alguém que acho que nunca fez plásticas", disse ela.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.