Mais da metade das brasileiras têm pele oleosa e se incomodam com o brilho no rosto - especialistas ensinam a manter tudo sequinho e saudável o ano todo

A oleosidade da pele é uma das grandes queixas das mulheres – 56% das brasileiras têm pele oleosa, segundo pesquisa feita pela Johnson & Johnson. O clima quente e úmido que prevalece na maior parte do país é um dos responsáveis por mais da metade da população feminina reclamar de oleosidade e o consequente brilho no rosto. Mas alguns cuidados e artimanhas podem manter a pele sequinha durante o ano todo.

56% das brasileiras têm pele oleosa e se preocupam com a aparência brilhante do rosto. O problema tem solução, veja as dicas de especialistas
Getty Images
56% das brasileiras têm pele oleosa e se preocupam com a aparência brilhante do rosto. O problema tem solução, veja as dicas de especialistas


Todos os tipos de pele precisam de limpeza, mas para quem tem a pele oleosa, é fundamental. Mas nada de esfregar a pele com sabão até que ela resseque. “Se a higienização remover toda a oleosidade natural que serve como proteção da pele, o organismo irá produzir mais e mais óleo” explica a farmacêutica Mika Yamaguchi. Ou seja: a pele pode ficar ainda mais oleosa se tentarmos ressecar demais. A solução é, então, escolher um sabonete ou espuma de limpeza que seja adequado para pele oleosas, e limpar logo ao acordar, antes de dormir e antes da maquiagem.

Outro problema comum para quem tem pele oleosa é a maquiagem, que não dura intacta por muito tempo. Escolher os produtos certos, no entanto, podem prolongar a vida útil do look. Antes de comprar uma base, por exemplo, é bom examinar o rótulo. Fórmulas sem óleo (ou, em inglês, oil free), são as mais indicadas. E preparar a pele também ajuda. “Primers e BB creams são muito recomendados sozinhos, ou antes da base, pois podem ajudar a manter o aspecto sequinho por mais tempo”, explica a maquiadora Renata Rubiniak. Para retoques durante o dia, existem lencinhos de papel próprios para absorver a oleosidade, assim como pós e cosméticos de controle do brilho.

Embora possa parecer trabalhoso e caro cuidar da pele oleosa, há produtos para todos os bolsos e estilos de vida. Sabonetes e tônicos faciais com enxofre ou ácido salicílico na fórmula, por exemplo, são facilmente encontrados em farmácias e trazem benefícios nítidos na contenção do óleo. Procure os produtos feitos especificamente para pele oleosa - segundo a dermatologista Márcia Linhares, o uso de produtos incorretos para o tipo de pele é um dos maiores erros das brasileiras e pode agravar a situação.

A sabedoria popular costuma dizer que o sol e cosméticos com álcool ajudam a secar a pele, mas é mito. O álcool e o sol ressecam a pele, sim, mas causam o mesmo “efeito rebote” da limpeza exagerada, ou seja, a pele acaba por produz ainda mais óleo.

Além de usar produtos adequados para a pele oleosa, outras medidas ajudam a diminuir o brilho da pele. A alimentação, por exemplo, pode influenciar muito na produção de óleo da pele. Frituras, chocolate e todo tipo de alimento rico em gordura podem aumentar a oleosidade. Por outro lado, uma alimentação balanceada e saudável diminui o aspecto brilhante da cútis.

Apoiar as mãos ou passar os dedos no rosto com frequência é outro hábito que tende a aumentar a concentração de sebo e traz muita sujeira à face, o que pode estimular o surgimento de espinhas. Os cabelos também influenciam na quantidade de óleo: mexer muito com as mãos nos fios e usar o cabelo no rosto - como em cortes com franja - são duas coisas a ser evitadas por quem tem a pele oleosa. O contato com os fios deixa a pele ainda mais gordurosa.

Vale ressaltar que a pele oleosa não é necessariamente uma pele hidratada. Por isso, quem tem este tipo de pele deve usar hidratante no dia a dia. Porém, em vez de creme, prefira usar gel ou sérum hidratante. Um dermatologista pode ajudar a encontrar o hidratante ideal e também ajudar em casos mais extremos de oleosidade. Medicamentos via oral podem trazer muitos benefícios em médio e longo prazo. Neste caso, sempre se trate com acompanhamento médico.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.