O tempo frio é grande aliado de quem quer testar procedimentos mais agressivos e se renovar para o verão; dermatologistas indicam os melhores tratamentos

Os dermatologistas já sabem: é só chegar o outono que as salas de espera dos consultórios ficam lotadas. Depois de passar o verão ao sol, despreocupadamente, médicos e pacientes preferem o outono e inverno para fazer tratamentos estéticos. As estações mais frias do ano são recomendadas pelos dermatologistas para fazer os procedimentos mais invasivos.

Tratamentos de pele mais invasivos e agressivos têm melhores resultados quando feitos no outono e inverno
Thinkstock/Getty Images
Tratamentos de pele mais invasivos e agressivos têm melhores resultados quando feitos no outono e inverno

Com dias mais curtos e escuros, essa é a época ideal para quem quer tentar um procedimento estético drástico, principalmente os que removem camadas superficiais da pele, pois a boa recuperação destas intervenções exige o mínimo possível de exposição ao sol. Além disso, a quantidade de roupas ajuda a esconder os possíveis efeitos indesejáveis que estes tratamentos produzem, como vermelhidão e hematomas.

Segundo Camila Moulin, dermatologista que atende as bronzeadas cariocas, o verão costuma ser bastante prejudicial à derme dos brasileiros que, culturalmente, não têm o hábito de usar filtro solar. “Rugas finas, manchas, perda do viço são os danos estéticos, mas a exposição solar contínua pode causar coisas mais graves como câncer de pele”, conta.

Camila ainda ressalta que a paciente não deve chegar ao consultório esperando mudanças da noite para o dia, pois “não existe milagre, existe programa de tratamento”, afirma.

Para Christiana Blattner, dermatologista de Campinas, é comum que o tratamento seja desperdiçado no verão por falta de manutenção dos cuidados com a pele. Se isso acontecer, o paciente não deve esperar que uma sessão seja suficiente para recuperar a tez, pois há a interrupção de um processo gradativo.

Quanto aos tratamentos mais procurados, lasers estão sempre em evidência. O laser de CO2 fracionado, por exemplo, está em alta. O tratamento, que dura no mínimo três sessões, estimula a produção de colágeno e suaviza sinais. Como é um procedimento leve, não exige que o paciente fique em repouso.

Tratamentos para flacidez também figuram entre os mais requisitados. Tanto para o rosto quanto para o corpo, o Ulthera, aparelho que usa radiofrequência, é “a vedete do momento”, segundo Christiana.

Procedimentos como preenchimento ou Botox podem ser feitos ao longo do ano
Thinkstock/Getty Images
Procedimentos como preenchimento ou Botox podem ser feitos ao longo do ano

A depilação a laser, também popular, requer bom senso. Se a ideia é depilar regiões expostas, prefira o inverno, mas se o alvo for uma região que fica escondida, não há problemas se feita no verão.

Se você estiver pensando em preenchimento com ácido hialurônico ou aplicação de Botox, boa notícia: as injeções são liberadas em qualquer época do ano. A única ressalva é no caso de aparecimento de hematomas após a aplicação, o que é comum. Se isso acontecer, fuja do sol!

Para melhorar os resultados, o dermatologista paulistano Jardis Volpe recomenda o uso contínuo de cremes e de suplementos orais. Ele explica: “ativos como o silício orgânico e a glucosamina trazem grandes melhorias, que vão além dos tratamentos clínicos”. O médico ainda ressalta a importância de hidratar a pele no inverno, época mais seca. “Hidratantes manipulados, como os que contêm aquaporina, são muito bons”, conta.



Leia também
Será que está na hora de fazer uma cirurgia plástica?
Pequenos cuidados garantem pele bonita no inverno

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.