Saiba mais sobre os ingredientes tóxicos presentes nas fórmulas dos produtos de beleza do dia a dia e os cuidados que devem ser tomados para não correr riscos ao se embelezar

Do xampu ao hidratante, passando pelo esmalte e pelo rímel, muitos produtos que fazem parte de uma rotina de cuidados com a beleza apresentam em sua composição substâncias que podem fazer mal à saúde. Conservantes, como os parabenos, presentes em cosméticos variados, e o formaldeído, famoso pelos alisamentos de cabelos, são alguns dos mais comuns.

Glosses e batons podem ter chumbo em suas fórmulas.
Thinkstock/Getty Images
Glosses e batons podem ter chumbo em suas fórmulas.

Parabenos
Os parabenos, segundo Leonardo Abrucio Neto, dermatologista da Beneficência Portuguesa de São Paulo, já foram ligados a casos de câncer, mas não há comprovação científica de que realmente sejam cancerígenos. “Eles aparecem em quase todos os cosméticos, pois evitam contaminação bacteriana”, afirma Neto.

Amônio e formol
Existem outras substâncias que são encontradas com frequência em cosméticos e merecem atenção especial. Uma delas é o amônio, que aparece em tinturas de cabelos e descolorantes e causa irritação em quem tem a pele sensível. Outro ingrediente tóxico é o formaldeído, ou formol.

Rosanna Nocito, dermatologista do Hospital e Maternidade São Luiz, explica que o excesso de formol, que é altamente alergênico, pode até induzir quadros de intoxicação respiratória. “Os quadros mais graves chegam a resultar em edema ou sufocamento, sendo necessária a intervenção com medicamentos intravenosos, em um pronto-socorro.”

Sulfatos
A dermatologista Raquel Toyota cita também o lauril sulfato de sódio, produto químico utilizado em diversos cosméticos, como xampus, removedores de maquiagem e pasta de dentes. “É um componente que pode causar irritação nos olhos, pele e mucosas, mas isso depende da concentração a que as pessoas se expõem. Seu efeito irritante é semelhante à ação de qualquer outro detergente e não está associado ao câncer”, alerta.

Óleo mineral
O óleo mineral, derivado do petróleo, já foi apontado como vilão. Comum em produtos de cabelo, hidratantes e maquiagem, tem propriedades emolientes e lubrificantes. Raquel afirma que, raramente, ele provoca alergias e que, atualmente, não há nenhuma evidência de que o óleo mineral em cosméticos cause doenças mais graves.

Chumbo
Uma substância bastante polêmica é o chumbo, presente em muitos batons. Neto aponta que, em excesso, há a chance de resultar em uma lesão neurológica. “Por isso, sempre é melhor olhar o rótulo, evitando os que o tenham na fórmula”, defende o dermatologista da Beneficência Portuguesa.

Recomendações
Os médicos, porém, são unânimes ao dizer que, quando o cosmético é aprovado pela Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária), é porque apresenta uma quantidade segura dessas substâncias chamadas tóxicas. “No caso das consideradas cancerígenas, se o produto estiver liberado pela agência, não oferece esse risco. Já a questão de alergia é muito individual, por isso é preciso saber exatamente a substância a que se é alérgico, para, no rótulo, procurá-la”, avisa Cristina Abdalla, dermatologista do Núcleo Avançado de Câncer de Pele do Hospital Sírio-Libanês.

Raquel chama a atenção para o fato de que ainda faltam estudos que realmente comprovem o perigo das substâncias presentes nos cosméticos para a saúde. “As informações que temos são ainda controversas e carecem de mais estudos. Até agora, ao que tudo indica, as concentrações utilizadas em cosméticos são consideradas seguras”, fala.

Para Rosana, a melhor maneira de não errar na hora de escolher os produtos que vão fazer parte da sua rotina de beleza é mesmo procurar um médico. “Seguindo a indicação de um dermatologista, a pessoa encontra cosméticos adequados ao seu tipo de pele, preservando-se. E, na suspeita de alergia, consulte-se com um especialista, pois existem testes alérgicos que comprovam quais são as substâncias a que a pele é sensível”, encerra.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.