Leia o depoimento de Jeff Leach, que costumava transar com dez mulheres por semana

selo

O lançamento do filme Shame, do diretor Steve McQueen, na Europa e nos Estados Unidos, esquentou a discussão sobre o vício em sexo. No filme, o personagem interpretado por Michael Fassbender se encontra frequentemente com prostitutas e tenta conquistar todas as mulheres que encontra.

Jeff Leach:
BBC Brasil
Jeff Leach: "não quero morrer sozinho"
Nesta quarta-feira, um programa produzido pelo canal britânico BBC Three traz a história de um viciado em sexo na vida real. Aos 27 anos, o comediante e apresentador de TV Jeff Leach diz que quer enfrentar o problema, após ter mantido relações sexuais com mais de 300 mulheres. Leia o depoimento de Leach abaixo.

Eu sou um conquistador, e para ser sincero, costumo ser bem-sucedido, tendo relações sexuais com mais de dez mulheres por semana, mas agora estou em uma missão para mudar. Quero ver se consigo manter uma relação séria. Preciso descobrir o que tenho feito de errado. Ver toda mulher como uma possível aventura sexual me deixa infeliz, me cansa e faz eu me sentir vazio e superficial, além de solitário.

Agora que estou me aproximando dos 30 anos, meus amigos estão se casando e eu percebi que não posso continuar assim para sempre. Dizem que, em média, um homem britânico tem 13 parceiras sexuais em sua vida, e as mulheres, apenas sete homens. Estou muito distante desses números.

O que eu percebi é que a minha atitude em relação ao sexo não é normal. Tendo resolvido a maior parte dos aspectos problemáticos da minha vida com relação à tendência a vícios – como minhas experiências com álcool e drogas –  este parece ser o último desafio a ser enfrentado.

Eu não quero morrer sozinho e quero ser pai. Para descobrir mais sobre mim mesmo, conversei com ex-amantes para descobrir por que não consigo ser um homem de uma mulher só. Como já tive relações sexuais com mais de 300 mulheres, recebi muitos telefonemas, e-mails e mensagens de Twitter e Facebook. Ex-namoradas, ex-casos e mulheres com quem me encontrei uma vez apenas enviaram mensagens de apoio, demonstraram uma vontade verdadeira de me ajudar nessa jornada.

Minha ex-namorada Nicola me chamou de egocêntrico. “Você era muito egoísta, fez eu me sentir desconfortável diversas vezes. Você fazia o que queria”, disse ela. Claire, com quem tive o relacionamento mais longo, me disse que sempre temia acabar se magoando. “Eu não achava que você conseguiria ser um bom namorado. Eu não queria ter um relacionamento com você. Eu não achava que conseguiria satisfazer você como namorada e manter seu interesse. Além disso, se você me traísse, eu ficaria destruída”, contou Claire. Outra ex-namorada, também chamada Claire, disse que nunca mostrei um lado vulnerável. O fato é que eu tenho medo de me machucar como aconteceu com meu primeiro amor. Mas como eu faço para conseguir ser vulnerável de novo?

Até agora, eu limitei meu tempo com cada amante. Me encontrava com uma garota e fazia ela se sentir o centro das minhas atenções por uma noite apenas, para então desaparecer por duas ou três semanas. Dessa forma, conseguia manter a distância.

Quando fui ver Paula Hall, uma psicoterapeuta especializada em sexualidade e relacionamentos, ela me explicou os sinais. “Vício em sexo é qualquer comportamento sexual que fica fora de controle. Se você está agindo de forma sexual e não sabe mais qual é o benefício para você ou por que você está fazendo isso, se você se arrepende do que fez, mas continua repetindo o comportamento, você provavelmente é um viciado”, disse ela.

Eu me lembro de ter uma infância muito feliz com minha família, viajar de férias, meu pai me colocar em seus ombros, meus pais tendo um bom relacionamento. Aí, a partir dos sete ou oito anos de idade, tudo o que me lembro é deles brigando.

Hall acredita que grande parte do meu comportamento sexual se deve ao medo de intimidade. “'Você usa isso para se manter fora de um relacionamento. Mantendo múltiplas relações o tempo todo, você não aposta todas as suas fichas no mesmo lugar”, diz Hall.

O que aprendi é que meu estilo de vida tem uma data de validade limitada. Eu quero que as mulheres pensem: “Sim, ele é um ser sexual, mas sua natureza aventureira não impede que ele seja um cara legal, capaz de amar e ser amado”.

Percebi que até eu estar feliz comigo mesmo e me amar isso não vai ser possível, então vou me concentrar nesse objetivo.

Acabou sendo muito mais difícil do que eu imaginei. Mergulhar em problemas de infância com uma psicoterapeuta e deixar uma multidão de ex-namoradas rejeitadas dizer onde errei certamente foram experiências deprimentes.

Mas o processo me deu energia renovada para controlar meus desejos sexuais e estabelecer novas amizades com mulheres. Estou no caminho de entender por que sou do jeito que sou e por que sinto os desejos incomuns que tenho como viciado.

Pode ser que eu nunca consiga me curar dessa doença – e, acreditem, é uma doença. Mas agora posso me olhar no espelho sabendo que tive a coragem de tentar melhorar a situação.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.