Sexo anal: pode ser bom para os dois

Coisas que todo homem precisa saber para tornar a prática mais gostosa para ele e para ela

Ricardo Donisete - iG São Paulo |

Desejo e fantasia de grande parte dos homens, o sexo anal é visto com reservas por muitas mulheres. Mesmo tendo vontade de praticá-lo, algumas acabam desistindo com medo de sentir dor ou mesmo de se machucar na hora, entre outros receios.

De acordo com especialistas, se o parceiro tem consciência desses temores femininos e sabe lidar com eles, o sexo anal tem muito mais chances de ser prazeroso para elas – prazer esse que não deve ser confundido com ter orgasmos com a penetração anal. Também ajuda quando se entende melhor como funciona o corpo e o desejo das mulheres.

Thinkstock/Getty Images
Vencidos os medos e os receios, o sexo anal pode ser prazeroso para a mulher e também para o homem

Para os homens tomarem consciência desses receios, no entanto, é preciso que as mulheres também consigam falar sobre eles. “Não precisa ser uma conversa séria, pode ser um bate-papo informal. Aliás, falar de maneira descontraída ajuda a diminuir a tensão que o assunto provoca”, aconselha Maria Cristina Romualdo Galati, psicóloga e terapeuta sexual da Universidade Federal de São Paulo e do Instituto Kaplan. 

Leia tambémPor que o sexo anal ainda choca?

Dica para ela: sexo anal não é presente

Débora Pádua, fisioterapeuta uroginecológica e orientadora sexual, diz que, antes de tudo, a mulher deve fazer sexo anal porque deseja e não pelo motivo errado. “Não pode ser um ‘prêmio’ para o marido só que porque é aniversário de casamento do casal, por exemplo. E o homem, por sua vez, tem que entender que é muito mais prazeroso quando a parceira está à vontade com a situação”, explica Débora, dizendo em casos como esses acabam resultando em ansiedade e numa posterior frustração.

Dica para ele: delicadeza é indispensável

O homem deve estar bem consciente a respeito de uma diferença fundamental. “Ele não pode penetrar no ânus da mesma maneira que faz na vagina. É preciso lembrar que a região anal não tem lubrificação própria como a vaginal”, avisa Maria Cristina.

Veja também: Dúvidas sobre sexo anal ainda são frequentes entre as mulheres

A terapeuta sexual recomenda ainda que o homem não tenha pressa neste momento, caprichando nas carícias antes da penetração. Em consequência disso, a mulher ficará mais relaxada e excitada para a penetração anal. “Ele pode passar a glande do pênis no ânus e ao redor dele para estimular”, exemplifica Maria Cristina.

Uma boa possibilidade é começar a penetração incialmente com os dedos. “Primeiro, com calma, o homem coloca um dedo. Depois, quando a mulher estiver mais relaxada, coloca dois dedos de uma vez”, indica a terapeuta. “A mulher pode aproveitar e ir treinando a contração da região anal, contraindo e relaxando logo em seguida. Isso vai ajudá-la ter mais controle”, completa.

Dica para os dois: lubrificante e camisinha

Na hora da penetração em si, também não precisa ter pressa, mantendo o ritmo lento e progressivo recomendado pelas especialistas. “O homem pode inserir primeiro a glande, quando a mulher estiver mais segura, coloca um pouco mais e assim vai seguindo”, propõe Débora, lembrando que o uso da camisinha e do lubrificante a base de água é indispensável neste momento, já que o ânus é uma região sem lubrificação e é povoado por bactérias que são nocivas quando em contato com outras partes do corpo.

Mais sobre o assunto: Mitos e verdades sobre sexo anal

Débora não indica o uso de pomadas anestésicas. É perigoso. “Muitas vezes, elas tiram demais a sensibilidade. O homem acaba introduzindo o pênis de qualquer maneira e a mulher não percebe quando a penetração está machucando, o que pode acabar provocando fissuras no ânus”, esclarece a fisioterapeuta.

Dica para eles: não esqueça o resto do corpo

Mesmo quando está penetrando o ânus, o homem não deve esquecer as outras partes do corpo da mulher. “Tocar a vagina, especialmente o clitóris, deixa a mulher mais excitada e mais relaxada”, pontua Maria Cristina. “Ela também não precisa ser passiva e pode se masturbar, enquanto é penetrada”, acrescenta a terapeuta sexual. Essa estimulação dupla favorece o orgasmo.

Coluna Prazer e Sexo: "Eu odeio sexo anal"

Aliás, sobre a controvérsia se a mulher pode ou não ter um orgasmo anal, Débora diz que ainda não há nenhum estudo científico que comprove essa possibilidade. “Mas não importa de onde vem o prazer, porque não só as áreas genitais que estão envolvidas no orgasmo e sim o corpo todo”, avalia a fisioterapeuta.

Dica para os dois: existe uma posição ideal?

“Muitos homens têm como referência os filmes pornôs, achando que a mulher tem que ficar ‘de quatro’ em cima da cama na hora do sexo anal, sendo penetrada freneticamente. Mas essa não é a posição mais confortável para ela”, pondera Débora.

“Para começar, talvez seja melhor ficar na posição de conchinha ou com a mulher por cima do homem, cavalgando. Essa disposição dá mais controle da situação para a mulher, que não fica tão vulnerável”, finaliza a expert.

Mais de Amor e Sexo: 
Posições do Kama Sutra para sexo anal e muito mais  
30 dicas espertas para enlouquecer um homem na cama 
Cinco atitudes das mulheres boas de cama
"Ferrari" dos vibradores e outras boas compras nos sex shop
Dúvidas constrangedoras de sexo respondidas numa boa 


>>> Assine a Newsletter, curta nossa página no Facebook e siga o @Delas no Twitter <<<
 

Leia tudo sobre: sexo analorgasmo

Notícias Relacionadas


    Mais destaques

    Destaques da home iG