Décadas depois do Brasil e inspirados pela música pop, americanos descobriram apelo erótico do derrière em 2014; cirurgias de implante de silicone cresceram 58% no país

Divulgada neste fim de ano pelo site erótico PornHub, em parceria com o jornal suíço 20 Minuten, uma pesquisa mundial sobre a preferência sexual dos homens confirmou o que a música pop dos Estados Unidos já cansou de evidenciar nos últimos clipes de Beyoncé, Nicki Minaj, Jennifer Lopez e de Taylor Swift, entre outros astros. De acordo com o levantamento, os americanos, até então considerados como grandes admiradores dos seios fartos, agora estão fissurados com o bumbum GG como objeto de desejo.

De acordo com a pesquisa, a bunda bate os seios como objeto de desejo em 40 dos 50 estados dos EUA. Em toda a América o bumbum só não é preferência nacional no Canadá e na Argentina. Na África, só o Egito não prefere o derrière. A admiração por um belo par de peitos ainda predomina na Europa e na Ásia.

Como era de se esperar, o bumbum ainda reina absoluto como preferência nacional no Brasil, segundo a pesquisa. Aliás, a música brasileira, com figuras como Gretchen, É o Tchan!, Valesca Popozuda, há muito tempo canta a exaltação ao derrière - bem antes de Beyoncé e companhia, diga-se de passagem. 

Veja celebridades que colocaram o bumbum grande na moda nos EUA: 


Dirigido por Kurt Holland e lançado em setembro nos EUA, o documentário “Bottoms Up” investiga a atual obsessão americana. O filme mostra inclusive como a atenção para bumbum fez com que o número de cirurgias plásticas para aumentar os glúteos crescesse significativos 58% em 2013.

Em entrevista ao site americano Salon, Holland disse que a onda de celebração do bumbum deus seus primeiros sinais ainda nos anos 90, com a ascensão de Jennifer Lopez, a curvilínea cantora americana de ascendência porto-riquenha. O surgimento de J.Lo acabou por soterrar a tenebrosa moda heroin chic, que exibia mulheres esquálidas, pálidas e de curvas inexistentes nos editoriais de moda. 

“Saímos de um padrão de beleza [com o físico] de uma criança abandonada para o de  J.Lo, que ficou famosa com seu traseiro. Isso nos levou a [socialite] Kim Kardashian. Agora temos Nicki,  J.Lo, Iggy Izalea. Agora é uma daquelas modas que todo mundo quer ter”, comentou Holland ao Salon.

Realizada por um site erótico, pesquisa revelou que 40 dos 50 estados americanos, representados em vermelho, preferem o bumbum como objeto de desejo. Os em azul escolhem os seios
Divulgação
Realizada por um site erótico, pesquisa revelou que 40 dos 50 estados americanos, representados em vermelho, preferem o bumbum como objeto de desejo. Os em azul escolhem os seios


Kim Kardashian, por sinal, é um caso a parte na onda dos bumbuns turbinados. Sem nenhum talento artístico evidente, a moça ficou famosa nos EUA exclusivamente por conta de seu derrière tamanho gigante, que ela exibe no reality show “The Kardashians”, apresentado pelo canal E!.

No último mês de novembro, Kim causou rebuliço ao aparecer com o bumbum de fora na capa da revista americana Paper. A publicação disse que a socialite ia quebrar a internet com o seu derrière à mostra.  A imagem não chegou a parar a web, mas foi ao topo dos trending topics do Twitter e também do Google Trends, além de virar mote para inúmeros memes. 

O tamanho do bumbum Kim fez os tabloides americanos especularem a possibilidade de ela ter colocado implantes de silicone em seus glúteos. Indignada, a socialite foi ao Twitter negar que tenha recorrido às próteses, garantindo que a exuberante protuberância na retaguarda é natural.

Natural ou não, o derrière dela inspirou muitas americanas famosas e anônimas a recorrer à cirurgia. “São muito populares [os procedimentos cirúrgicos]. Definitivamente populares no mundo do entretenimento, da música... pessoas questionam a autenticidade da  bunda da Nicki Minaj, da Iggy”, contou o diretor de ““Bottoms Up” ao Salon, dizendo ainda que milhares de mulheres dos EUA viajam até República Dominicana procurando cirurgias de implante de silicone nos glúteos mais baratas.

Os países em vermelho, como o Brasil, apontam o bumbum como objeto de desejo máximo. Já os em azul, são admiradores dos seios
Divulgação
Os países em vermelho, como o Brasil, apontam o bumbum como objeto de desejo máximo. Já os em azul, são admiradores dos seios

Holland acredita que a onda do bumbum avantajado deve ser substituída daqui há alguns anos. Mas se depender da música pop essa moda vai demorar a passar. Entre os clipes das músicas mais tocadas atualmente nos EUA e Brasil, alguns exploram a bunda como objeto de desejo, como é o caso das canções “Bang Bang”, de Jessie J, Ariana Grande e Nicki Minaj, “Shake It Off”, de Taylor Swift, e “All About That Bass”, de Meghan Trainor. 

Um verso de “All About That Bass” inclusive explicita o motivo do sucesso do bumbum como objeto de desejo. "Os meninos gostam de um pouco mais de bunda. Para segurar à noite", provoca Meghan. 

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.