Mesmo engraçados ou inofensivos, comportamentos cotidianos do parceiro começam a incomodar – e como dar o alerta?

Ele faz piadas sem graça, escuta músicas horríveis ou dá nome para o próprio carro? O amor supera muita coisa e no relacionamento é preciso conviver com o jeito do outro. O que acontece em alguns casos é que as manias do parceiro, que antes eram tão charmosas ou engraçadinhas, começam a irritar ou incomodar no dia a dia.

Reunir essas críticas tão pequenas e tão grandes ao mesmo tempo é o objetivo do site I Love You But , idealizado pelos artistas ingleses Alex Holder e Ross Neil. Os dois perguntaram aos amigos quais eram os hábitos ou características de seus pares que os irritavam e postaram caricaturas de cada um com o depoimento. Entre o material coletado estão frases como “Eu te amo, mas você usa roupas muito pequenas para você”, “Eu te amo, mas você compra todos os presentes de Natal em outubro” ou ainda “Eu te amo, mas você coloca catchup em tudo”.

Revelar que algo incomoda é importante, segundo Ailton Amélio, psicólogo especialista em relacionamentos. Mas isso deve acontecer em uma conversa sem acusações, questionamento de caráter ou intenção de estar sempre certa. A ideia é chegar a consensos para que uma mania não tire mais vocês do sério.

José brinca ao dizer que a mulher gosta mais do cachorro Bacon que dele
Guilherme Campos / Fotoarena
José brinca ao dizer que a mulher gosta mais do cachorro Bacon que dele

“Eu te amo, mas queria que você gostasse menos de videogame”, diz a publicitária Rachel Juraski, de 27 anos, sobre o marido José Granado. Ele recentemente vendeu os aparelhos em função das brigas, mas revida: “Eu te amo, mas você gosta mais do cachorro”.

Qual o limite
É preciso avaliar o quanto o problema em questão aparece no dia a dia. “O que faz o relacionamento dar certo depende do setor onde está a incompatibilidade. Gostar de Carnaval é um problema que só aparece uma vez ao ano. Já onde sair no sábado a noite é recorrente”, explica Ailton.

“Eu sou assim” ou “Você me conheceu desse jeito” são respostas comuns para as reclamações sobre hábitos ou manias. Para o psicólogo, essa é uma reação defensiva. “O que era bom aos 18 anos não é agradável aos 40. É preciso renegociar. O relacionamento é vivo”, diz Ailton. Mesmo que seja preciso fazer um ajuste fino para garantir a harmonia do casal, vale ter cuidado com a intolerância. Afinal, no namoro ou casamento sempre haverá diferenças.

Outros casais e leitores contaram quais os “mas” de seu amor pelo parceiro.

“Eu te amo, mas você tem um paladar infantil. Só come arroz, feijão, bife e macarrão” - Camila Olivo, 27 anos.

"Eu te amo, mas você dirige muito rápido" - Alessandra Ferreira, 22 anos.

“Eu te amo, mas você anda de meia preta social com shorts” - Kelly Giacon, 29 anos.

“Eu te amo, mas você tem manias irritantes como achar que está sempre certo e não dispor de nenhuma paciência” - Bruna Burk, 24 anos.

“Eu te amo, mas você podia beber menos!” Milena Sangali, 20 anos.

“Eu te amo, mas esse seu ciúme obsessivo precisa de um tratamento!” - Zélia Torrezan, 22 anos.

“Eu te amo, mas namoro à distância não dá” - Queli Alves Santos, 25 anos.

“Eu te amo, mas você poderia me poupar de assistir jogos de futebol nas quartas à noite” - Patricia Santana de Oliveira, 23 anos.

O Delas convida vocês a fazer uma declaração de amor com um recado para seu parceiro. Deixe aqui um comentário dizendo por que “eu te amo, mas...”.


Leia também: Casamento não é comercial de margarina

    Leia tudo sobre: amor
    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.